Colômbia demite técnico após pressão de presidente

A Federação Colombiana de Futebol comunicou nesta segunda-feira que aceitou o pedido de demissão do técnico Hernán Darío Gómez, que foi flagrado agredindo uma mulher em frente a um bar de Bogotá. A informação foi confirmada poucas horas depois do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pedir a demissão do treinador da seleção.

AE, Agência Estado

22 de agosto de 2011 | 15h56

A polêmica começou há cerca de duas semanas, quando o treinador agrediu uma mulher que reclamou do seu desempenho na frente da seleção colombiana. Muito criticado pelo ato violento, ele pediu demissão apenas três dias depois, mas a federação alegou que as Eliminatórias da Copa de 2014 estavam próximas e, assim, não aceitou a renúncia. Até que nesta segunda-feira, Juan Manuel Santos afirmou que a atitude do treinador foi "muito reprovável" e pediu a contratação de um técnico estrangeiro.

Embora o comunicado tenha sido divulgado pouco depois da declaração do presidente colombiano, a federação afirmou que a decisão tinha se tornado irrevogável na noite de domingo. "O Comitê Executivo da Federação Colombiana de Futebol informa à opinião pública que, na noite de domingo de 21 de agosto, o professor Hernán Darío Gómez ratificou sua denúncia, adicionando o caráter irrevogável".

Gómez assumiu a seleção colombiana pela primeira vez em 1995 e permaneceu até a Copa do Mundo na França, em 1998. Voltou ao cargo em maio do ano passado com a missão de classificar a equipe para a Copa de 2014, mas acabou demitido por conta de mais um envolvimento em confusões - antes, havia atacado um jornalista e agredido um torcedor. A federação ainda não definiu o novo treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.