Lucas Uebel/Grêmio
Lucas Uebel/Grêmio

Com 128 gols em Brasileiros, Diego Souza aponta sequência de vitórias do Grêmio

Após a partida com o Bragantino, atacante comemora o feito, mas diz estar mais feliz ainda em ajudar o time a se manter na briga pela permanência na elite

Redação, Estadão Conteúdo

16 de novembro de 2021 | 20h50

O gol marcado logo aos cinco minutos foi especial para Diego Souza. Não só por abrir o caminho para a vitória do Grêmio sobre o Red Bull Bragantino, por 3 a 0, nesta tarde na Arena do Grêmio, mas também porque o atacante se tornou o sétimo maior artilheiro da história do Brasileirão.

Diego Souza chegou aos 128 gols e deixou para trás Serginho Chulapa, ex-São Paulo e Santos. Após a partida, o atacante comemorou o feito, mas disse estar mais feliz ainda em ajudar o Grêmio a se manter na briga pela permanência na elite.

"Fico muito feliz de poder fazer parte da história do Brasileirão com os jogadores históricos que estão na minha frente. Mas fico mais feliz ainda em poder ajudar o Grêmio", disse o centroavante, que contou com a "sorte" para abrir o placar.

Na cobrança do pênalti cometido por Luciano, Diego Souza cobrou no meio e Júlio César defendeu. O rebote voltou na cabeça do próprio centroavante, que não desperdiçou. Ele espera que isso seja um sinal de que a maré esteja virando a favor do Grêmio nessa reta final de Brasileirão.

"Eu sempre bato dos lados, mas tive a felicidade da bola voltar para mim. Se fosse em outros tempos, talvez, isso não aconteceria. A situação continua difícil, mas que essa vitória abra as portas para que a gente consiga engatar uma sequência para sairmos dessa situação, porque estamos trabalhando muito para isso", finalizou.

A goleada sobre o Red Bull Bragantino coloca o Grêmio na 18ª colocação, com 32 pontos, a quatro do Bahia, primeiro fora da zona de rebaixamento. O time baiano, porém, tem uma partida a menos. No fim de semana, o time gaúcho vai enfrentar a Chapecoense, no sábado, às 19 horas, na Arena Condá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.