Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Com 15 jovens da base na Libertadores, Santos pode ter Rodrygo fazendo história

Atacante de 17 anos pode se tornar o mais jovem atuar pelo alvinegro na competição

Estadão Conteúdo

28 de fevereiro de 2018 | 15h14

A tradição do Santos de apostar em garotos das divisões de base se confirmou com a divulgação da lista de inscritos na fase de grupos da Copa Libertadores. Afinal, 15 dos 30 atletas incluídos na relação pelo técnico Jair Ventura foram formados pelo clube, o que torna especial o duelo desta quinta-feira com o Real Garcilaso, em Cuzco, pela primeira rodada do Grupo 6, para diversos jogadores.

+ Definido, Santos chega ao Peru e treina em Lima antes de jogar em Cuzco

+ David Braz revela preocupação com altitude para estreia do Santos na Libertadores

O confronto poderá ser marcante e histórico para o atacante Rodrygo. Com 17 anos completados em 9 de janeiro, ele pode se tornar o mais jovem jogador a atuar pelo Santos na Libertadores, superando o meia Diego, hoje no Flamengo, que em 5 de fevereiro de 2003 participou da goleada do Santos por 5 a 1 sobre o colombiano América de Cali quando tinha 17 anos, 11 meses e 5 dias.

"Muito feliz por estar disputando minha primeira Libertadores. Estou trabalhando nos treinos e esperando minha oportunidade. Elas estão aparecendo no Paulista e espero que eu tenha chances na Liberta também. Sou muito novo ainda, tenho só 17 anos, então vou aprender bastante. Creio que temos chances de ganhar já neste ano, pois temos um time muito forte", afirmou o atacante ao site oficial do Santos.

Ele deverá ser reserva no Peru, mas quatro deles deverão ser titulares na partida no Peru, casos do zagueiro Lucas Veríssimo, do lateral-direito Daniel Guedes, do volante Alison e do atacante Gabriel Barbosa, o Gabigol.

"Há muito tempo eu assistia aos jogos do Peixe e nunca pensei que poderia vestir essa camisa. As coisas foram acontecendo, o sonho virou realidade e hoje estou aqui disputando a Libertadores pelo Santos. É um torneio que exige muito do atleta, mas quanto maior a dificuldade, melhor para nós, porque vamos amadurecendo e aprendendo. Quando se veste a camisa do Santos é preciso estar preparado para qualquer situação. Visto esse manto com muito amor e vou procurar honrá-lo sempre", disse Daniel Guedes.

O zagueiro Robson Bambu também exibe euforia para disputar a Libertadores pelo Santos. "Antes eu só assistia o time jogando pela TV e agora tenho esse privilégio estar vestindo essa camisa numa Libertadores. É motivo de muita alegria. Só de treinar no CT já é uma grande experiência, agora atuar em uma competição internacional extremamente disputada será melhor ainda. Estou feliz demais", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.