Paul Ellis/AFP
Paul Ellis/AFP

Com 6 gols, Kane termina Copa do Mundo como artilheiro e repete feito de Lineker

Ex-atacante inglês fez o mesmo número de gols do atual jogador do Tottenham e foi o goleador do Mundial de 1986

Beto Silva, especial para o Estado, Estadão Conteúdo

15 de julho de 2018 | 14h30

Com seis gols em sete jogos, sendo três de pênalti, o atacante da Inglaterra Harry Kane foi o artilheiro da Copa do Mundo da Rússia. O jogador do Tottenham também fez história pelo seu país ao se tornar o segundo inglês nas 21 edições de Mundial a terminar no topo da lista de goleadores. Ele repetiu o feito de Gary Lineker, que também balançou as redes seis vezes no México, em 1986, na campanha que a seleção inglesa caiu nas quartas de final para a Argentina, por 2 a 1.

+ Em final com 6 gols, França bate Croácia e conquista o bi mundial

+ Mbappé iguala Pelé e se torna o 2º com menos de 20 anos a marcar em final de Copa

Cinco atletas ficaram na vice-artilharia em 2018 com quatro bolas na rede cada: Cristiano Ronaldo (Portugal), Cheryshev (Rússia), Lukaku (Bélgica), Mbappé e Griezmann (ambos da França). Kane, por sua vez, fez metade dos gols da sua seleção na competição realizada na Rússia.

Nos últimos 40 anos, foram realizadas dez Copas e em apenas uma delas o artilheiro do torneio ultrapassou a marca dos seis gols. O brasileiro Ronaldo, em 2002, comemorou oito vezes após marcar, sendo duas na final contra a Alemanha, dando o pentacampeonato à seleção canarinho.

A edição de Mundial que teve o artilheiro com o menor número de gols foi a de 1962, no Chile. Curiosamente, seis jogadores marcaram quatro vezes e ficaram na ponta da tábua de matadores: os brasileiros Garrincha e Vavá, o chileno Leonel Sánchez, o húngaro Flórián Albert, o iugoslavo Drazan Jerkovic e o soviético Valentin Ivanov.

A segunda vez na história dos Mundiais que a Chuteira de Ouro foi dividida ocorreu em 2010, na África do Sul, em que quatro atletas fizeram cinco gols cada: o alemão Thomas Müller, o espanhol David Villa, o holandês Wesley Sneijder e o uruguaio Diego Forlán.

 

Harry Kane começou a Copa da Rússia arrasador. Na primeira fase, fez dois gols na estreia na vitória sofrida sobre a Tunísia, por 2 a 1. O segundo tento saiu nos acréscimos, de cabeça. Na segunda partida, triplete do jogador do Tottenham. Dois e pênalti e um sem querer, em que a bola bateu em seu calcanhar depois de chute de Loftus-Cheek. Depois do terceiro, Kane foi substituído e saiu aplaudido de pé. Em entrevista após a partida, foi incitado a pedir música no programa Fantástico, da Rede Globo. Escolheu "One Kiss", dos cantores Calvin Harris e Dua Lipa.

Com cinco gols em dois jogos, a expectativa era de que o atacante, de 25 anos, fosse chegar perto do recorde do francês Just Fontaine, que em 1958, na Suécia, balançou as redes 13 vezes. Mas não foi o que aconteceu. No terceiro jogo da fase de grupos, contra a Bélgica, o artilheiro foi poupado e ficou os 90 minutos no banco.

Nas oitavas de final, Kane fez, outra vez de pênalti, o gol do empate com a Colômbia, por 1 a 1. A igualdade persistiu na prorrogação e, na disputa de tiros livres, melhor para os inventores do futebol. Dali para frente, foram três jogos decisivos em que o atacante não conseguiu mais comemorar um gol e frustrou a torcida.

Nas quartas, contra a Suécia, vitória da Inglaterra, mas Kane passou em branco. Ele também não marcou na semifinal, diante da Croácia, que venceu por 2 a 1, com gol no tempo extra. Na disputa pelo terceiro lugar com a Bélgica, mais uma atuação apagada de Kane, que em 2017 foi o artilheiro da Europa, com 56 gols - dois à frente de Lionel Messi, e na temporada 2017/2018 do Campeonato Inglês ficou na vice-artilharia, com 30 tentos - dois a menos do que o egípcio Mohamed Salah, do Liverpool.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.