Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians
Rodrigo Gazzanel/ Ag. Corinthians

Com 66% dos votos, Conselho aprova orçamento do Corinthians para 2019

Diretor financeiro explicará nesta quarta-feira as receitas e despesas projetadas para a próxima temporada

João Prata, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2018 | 22h47

O Conselho Deliberativo do Corinthians aprovou na noite desta terça-feira a previsão orçamentária de 2019. Do total de 318 conselheiros, 190 foram a reunião realizada no Parque São Jorge. Com 125 votos a favor (66%), 64 contra (34%) e 1 abstenção, o relatório elaborado pela atual diretoria do clube foi aprovado. 

Nesta quarta-feira, o diretor financeiro do Corinthians, Matias Ávila, concederá entrevista coletiva para justificar as receitas e despesas de 2018 e explicar como o clube conseguirá cumprir as metas preestabelecidas para a próxima temporada.

O Corinthians fechará o ano com déficit de R$ 26,3 milhões. No ano que vem, vive a expectativa de ter superávit de R$ 650 mil. Para isso terá de aumentar a receita com patrocínios. Em 2018, o clube conseguiu R$ 38 milhões. Para 2019 está projetando faturar R$ 64 milhões. 

Cerca de R$ 20 milhões está garantido pelo acordo com a Nike. Agora, precisa fechar com um patrocinador master no uniforme, o que não consegue desde abril de 2017, quando terminou o contrato com a Caixa. Outra forma de arrecadação que a diretoria espera ver superar 2018 é com os direitos de TV. Dos R$ 197 milhões deste ano, espera aumentar para R$ 240 milhões. 

A principal missão da diretoria, no entanto, será enxugar a folha salarial. Dos R$ 156 milhões em 2018, o objetivo é reduzir para R$ 134 milhões. Como ponto favorável para cumprir essa meta, tem o encerramento dos contratos do atacante Emerson Sheik, do meia Danilo e do zagueiro Vilson. Juntos deviam dar uma despesa de R$ 600 mil. 

O ponto contrário está na maneira como o clube tem contratado. O técnico Fábio Carille chega para receber salário maior do que o de Jair Ventura. A diretoria também negocia com novos atletas como Luan, do Atlético-MG, Sornoza, do Fluminense, e Leandro Castán, do Vasco. 

Nas conversas, o Corinthians tem oferecido atletas do elenco em troca. No entanto, quem deve continuar arcando com as despesas dos salários dos emprestados é a própria diretoria do clube paulista.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.