Daniel Batista/Estadão
Daniel Batista/Estadão

Com a camisa 10, Barrios nega rótulo de estrela e promete luta

Novo jogador do Palmeiras herda número de Valdivia

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2015 | 13h57

O atacante Lucas Barrios foi apresentado oficialmente como reforço do Palmeiras nesta quinta-feira e chegou cheio de moral. Com a camisa 10 nas costas, que era de Valdivia, o paraguaio prometeu dar muitas alegrias para a torcida do Palmeiras, mas nega que tenha aportado no clube para ser a estrela da equipe.

"O importante é o clube. A realidade é que venho com a mesma disposição que vieram os outros reforços e venho para somar. Somos 24 (reforços) mais o corpo técnico que pensa em um projeto novo, que os dirigentes falaram para mim. Estou entusiasmado de fazer as coisas boas pelo clube. Tomara que possa trazer trabalho e gols", disse o atacante, de 30 anos.

Barrios é um sonho antigo do Palmeiras. Desde 2009 o clube tentava sua contratação. "Em 2009, quando o Palmeiras veio me buscar no Chile, acabei indo para o Borussia (Dortmund). Depois custou a voltar para a América do Sul, porque tinha ofertas da Europa e da Ásia. O interesse do Palmeiras me fez tomar a decisão de voltar à América do Sul", explicou.

Embora negue a fama de estrela, Barrios chegou com tal status. Nas redes sociais, a manifestação dos torcedores comprovam o quanto se espera do jogador. "Estou muito agradecido a todos que confiam em mim. Nas redes sociais, os torcedores estão me dando muito apoio e quero retribuir isso. Chego em um clube grande, com muitos títulos e feliz por estar em clube tão organizado".

A contratação de Barrios só foi possível graças a uma nova parceria entre a Crefisa e a FAM, empresas que já patrocinam a camisa do clube. "Tudo isso acontece graças a um novo patrocínio que estava sendo discutido com a Crefisa e a FAM. Eles se interessam em patrocinar muito o Avanti. Graças a esse patrocínio, conseguimos viabilizar a vinda do Barrios. Como todo torcedor, o Avanti vai para o futebol", explicou o presidente Paulo Nobre.

A negociação entre Palmeiras e Barrios acontece há cerca de três meses. Quando estava próximo de chegar ao clube, ele chegou a conversar com Valdivia, de quem herdou a camisa 10. "Sei que era do Jorge (a camisa). Ele é um grande jogador e grande ídolo do clube, mas posso dizer que vou tratar de dar o melhor com essa camisa", avisou o jogador, que aguarda apenas a sua documentação ser regularizada junto à CBF para poder estrear pelo time.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasLucas Barrios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.