Com apoio de Eurico, Edmundo joga pelada

Com a benção do presidente do Vasco, Eurico Miranda, do técnico Mauro Galvão e dos médicos do clube, o atacante Edmundo segue desfrutando do seu principal passatempo: as peladas. Embora não esteja rendendo o esperado com a camisa vascaína, a história muda de figura vestindo o uniforme do Panela. Tanto que conquistou seu único título no ano: o de campeão da nona edição da Taça Barra da Tijuca de Futebol Soçaite, na noite de terça-feira. "É inevitável não jogar peladas. Os organizadores me chamaram para participar deste evento e não pude recusar. Tenho um campo em casa e jogo todo dia", disse um animado Edmundo, após a vitória por 5 a 3 sobre o Caça e Pesca, equipe de Romário.O craque tricolor não atuou na final por causa de uma contusão. E nem sequer compareceu ao Condomínio Novo Leblon para prestigiar os companheiros. Preferiu ficar em casa e cuidar do filho Romarinho, que sofrera um acidente de carro, na manhã de segunda-feira.Mauro Galvão já ressaltou que Edmundo só lhe deve satisfação quando está no clube ou então nos jogos. "O que ele faz depois não é da minha conta". Mas o treinador sempre demonstrou preocupação com a possibilidade de o jogador se contundir nessas aventuras fora do Vasco.Pelo menos, por enquanto, poderá respirar mais aliviado já que a competição terminou. "Pelada não é sinônimo de confusão ou contusão. Aqui não tem maldade", afirmou Edmundo, que recebe do Vasco cerca de R$ 300 mil, somando salário e acordos judiciais. De acordo com o próprio atleta, Eurico só não aceita que haja dinheiro envolvido nas partidas. "O presidente me autoriza a jogar aqui. E não vou deixar meus amigos na mão", afirmou.O Edmundo da pelada é um pouco diferente do que atua pelo Vasco. Ele volta para marcar, não reclama dos companheiros e sorri o tempo todo. Mesmo assim, não deixou de receber um cartão amarelo após cometer obstrução. E procurava retardar a reposição de bola do adversário sempre que podia.Sua atuação no primeiro tempo parecia as recentes participações do Vasco no Campeonato Brasileiro: apático em campo, tropeçando na bola e errando todas as jogadas que tentava. Chegou a ser chamado de ?burro? pela torcida quando o juiz marcou reversão numa cobrança de lateral. E os 800 torcedores que comparecem à decisão também não perdoaram Eurico Miranda. Quando faltou energia na etapa inicial, começaram a gritar o nome do dirigente como se ele fosse o responsável pelo incidente.No segundo tempo, o Edmundo dos velhos tempos estava de volta. Ele chamou a responsabilidade, marcou dois gols e deu passe para outro. Resultado: o Panela venceu por 5 a 3 e sagrou-se campeão. O atacante terminou a competição com sete gols, carregado pelos colegas de time e saudado por crianças e adolescentes. "Ah, é Edmundo!", gritavam os fãs.Nem todos, porém, eram torcedores do Vasco. Flamenguistas e tricolores se juntaram à festa. Talvez com outras intenções. Nesta quinta-feira, pelo Brasileiro, o Vasco enfrenta o Coritiba, em São Januário, e a dúvida é inevitável: Edmundo vai receber também a benção da torcida de seu clube?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.