Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Com aproveitamento de 33% e na zona da degola, Ceni busca time ideal no Cruzeiro

Desde sua contratação, treinador já usou sete escalações diferentes e deve mudar novamente contra o Ceará: defesa não para de tomar gols

Redação, Estadão Conteúdo

24 de setembro de 2019 | 10h28

Quando foi contratado pelo Cruzeiro no início de agosto, Rogério Ceni prometeu um time rápido, leve e de constante busca pelo gol, o oposto do que os jogadores estavam acostumados em mais de três anos de trabalho com Mano Menezes. Cerca de 50 dias depois e sete jogos, o técnico que deixou o Fortaleza ainda procura a equipe ideal. Até agora foram sete escalações diferentes e a tendência é a oitava entrar em campo nesta quarta-feira contra o Ceará, na Arena Castelão, em Fortaleza, pela 21.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A estratégia de Ceni deu certo nas primeiras partidas apenas. Vieram vitórias sobre Santos, então líder do Brasileirão, e Vasco e um empate diante do CSA, em Alagoas, com gol sofrido no último minuto. No entanto, aconteceu a derrota por 3 a 0 para o Internacional, em Porto Alegre, e a eliminação nas semifinais da Copa do Brasil, o que desencadeou uma série de mais três resultados negativos contra Grêmio, Palmeiras e Flamengo. Isso levou o time para a zona de rebaixamento do Brasileirão.

Com um aproveitamento de 33,3% até agora, Ceni quer manter a postura que o Cruzeiro vem tendo em campo, principalmente com a busca pela saída de bola mais eficiente, evitando os chutões para frente. Até o goleiro Fábio vem apresentando dificuldades nessas jogadas e os erros de passe aparecem com frequência, o que contribuiu para o time sofrer 10 gols só nas últimas quatro partidas. 

O próprio zagueiro Dedé, um dos mais experientes do Cruzeiro, admitiu a sua falha neste fundamento, algo que aconteceu na derrota para o Internacional, seu último jogo antes de sofrer torção no tornozelo. "Eu mesmo, contra o Inter, errei muita bola. Até o lance do gol caracterizou com um passe por dentro, uma má decisão minha, mas um erro consertável, eu acho", afirmou.

"Entendo até e sei da qualidade que a gente tem para sair jogando, mas acho que temos de estar bem firmes para fazer uma jogada de saída de bola. E uma saída de bola tem de ser segura, é momento que a gente não pode errar, dar vacilo", completou o atleta, em entrevista na segunda-feira, antes da viagem para Fortaleza.

No Ceará, o Cruzeiro jogará na Arena Castelão, local de sua última vitória como visitante no Campeonato Brasileiro. No dia 3 de junho de 2018, o time mineiro bateu o Ceará por 1 a 0. Desde então são 22 jogos sem triunfos longe de Belo Horizonte. Neste ano, após 10 partidas, são quatro empates e seis derrotas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.