Cesar Greco/Agência Palmeiras e Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Cesar Greco/Agência Palmeiras e Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Com ares de decisão, Corinthians e Palmeiras vão jogar tudo no Dérbi

Embora líder, Alvinegro está acuado e precisa estancar a queda, diante de um Palmeiras que faz bom segundo turno e viu voltar as chances de título

Daniel Batista e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

01 Novembro 2017 | 07h00

Corinthians e Palmeiras vão fazer um clássico com ares de decisão. As duas equipes vivem momentos bem distintos, mas ambas sabem que o resultado de domingo será fundamental para manter viva a briga pelo título do Campeonato Brasileiro. 

+ Fagner diz que tropeço do rival não muda peso do clássico para o Corinthians

Após um primeiro turno quase impecável, o time de Fábio Carille caiu de rendimento e tem apenas a 17.ª campanha no segundo turno, com aproveitamento de rebaixado - 12 pontos. No lado oposto, o Palmeiras demitiu Cuca e com Alberto Valentim mudou da água para o vinho. Não à toa, tem a terceira melhor campanha da segunda metade do campeonato, com 22 pontos, e conseguiu diminuir a diferença, que já foi de 17 pontos, para apenas cinco.

O empate do Palmeiras com o Cruzeiro na última rodada não foi suficiente para frustrar as pretensões alviverdes, nem deixar os corintianos aliviados. Embora tentem disfarçar e tratar a partida como apenas mais um clássico no ano, os atletas do líder do Brasileiro sentem um clima diferente para o jogo.

+ Egídio elogia Borja e espera ajudar ainda mais seu companheiro

“Se a gente já não tivesse feito tudo o que fizemos, não teríamos um parâmetro e estaríamos mais preocupados. Já fizemos muitas coisas boas e temos de nos basear nisso para conseguir um bom resultado”, afirmou o lateral-direito Fagner, que disse não ter visto a partida do rival anteontem, pois estava jogando videogame com o filho.

Para manter a confiança em alta e não deixar que a má fase dos principais jogadores atrapalhe, o discurso no Corinthians recorre até mesmo à desconfiança que existia em relação ao time no início da temporada. “Em janeiro, ninguém acreditava que a gente fosse chegar. Temos de trabalhar e esquecer as projeções”, emendou Fagner. 

+ Marquinhos Gabriel sofre estiramento e desfalca o Corinthians por três semanas

O difícil é passar tal tranquilidade e confiança para a torcida. Após a derrota para a Ponte Preta, os muros do Parque São Jorge foram pichados com xingamentos e ameaças ao elenco. Tudo isso ainda sendo líder.

O Palmeiras também já viveu essa gangorra de emoções. Durante parte do campeonato, falou em brigar pelo título, jogou a toalha, demitiu treinador e voltou a acreditar, graças à queda do rival e também à sua ascensão após a saída de Cuca.  Com Valentim, a equipe vem de uma sequência de três vitórias e um empate. Se tivesse vencido o Cruzeiro, anteontem, dependeria apenas de suas forças para conquistar o torneio pelo segundo ano consecutivo. 

O momento faz com que os palmeirenses voltem a acreditar. “O jogo de domingo, na casa do Corinthians, vai dizer tudo. Temos de nos concentrar, encarar esse confronto como uma final. Estamos tendo uma evolução grande. Enquanto tivermos chance de atingir algo melhor do que o G-4, vamos lutar. Podemos buscar o título, mas temos os pés no chão e humildade de jogar jogo a jogo”, disse o lateral-esquerdo Egídio.

Ele sabe que o ambiente no Palmeiras é bom nessa reta final de campeonato. “A gente sabe a dificuldade que é o Brasileirão. Estamos na vice-liderança, diminuindo ponto a ponto. O que o campeonato proporcionar, vamos buscar. Temos sete rodadas, podemos buscar algo muito maior do que o G-4.”

O clima de decisão vai se refletir nas arquibancadas, pelo menos do lado corintiano. Em Itaquera, apoio será total. Em mais um clássico de torcida única em São Paulo, 42 mil ingressos já foram vendidos. A diretoria estuda a possibilidade de o treino de sábado ser realizado na Arena, palco da partida.

O empate no clássico pode ser considerado um bom resultado?

Luizão, ex-atacante do Corinthians e do Palmeiras: O campeonato está aberto e ainda é cedo para falar que o Corinthians é o campeão. Tudo vai depender do jogo de domingo. Se o Corinthians ganhar, acredito que praticamente será campeão brasileiro. Agora, se o Palmeiras conseguir a vitória, aí eu acho que coloca uma corda no pescoço do Corinthians e fica uma situação bastante complicada. 

Pela situação do Brasileirão, acredito que um empate no domingo é um ótimo resultado para o Corinthians, pois será uma partida pau a pau e o empate faz com que a diferença entre eles seja mantida. Antes desse jogo, é difícil falar, porque é uma rodada em que um vai tirar ponto do outro e vai faltar muito pouco para acabar o campeonato. Neste momento, falar qualquer coisa é chute. Vejo os dois times com capacidade para ficar com o título. 

Emerson Leão, ex-goleiro de Corinthians e Palmeiras: Cinco pontos é uma vantagem enorme, desde que a segure até o fim. A diferença do Corinthians para o Palmeiras está nisso, sendo que só depende do Palmeiras para diminuir três pontos, por causa do confronto direto deste domingo.

Então, numa conta simples, de 18 pontos em disputa depois do clássico é possível o Corinthians perder dois. Mas, para passar, o Palmeiras vai precisar fazer a sua parte e torcer para resultados de outros. Só o Corinthians dependerá unicamente dele. Vejo que o Palmeiras encontrou o “fio” nesta reta final, mas ainda tem algumas pontas desencapadas. Vejo o time atualmente melhor que o do Corinthians, mas isso não o credencia a ser vitorioso no fim. De qualquer forma, fico feliz em ver dois técnicos jovens disputando o título e agora o Carille terá de superar essa fase de dificuldade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.