Marcelo Sadio/Vasco/Divulgação
Marcelo Sadio/Vasco/Divulgação

Com astral em alta, Vasco busca vitória contra Criciúma

Reforços e vitória em clássico mudam o clima em São Januário

LEONARDO MAIA, Agência Estado

27 de julho de 2013 | 07h30

RIO - O Vasco chega para a rodada deste fim de semana com um astral bem diferente daquele da semana passada. A chegada de Fagner, Juninho Pernambucano e Guiñazu, o anúncio de novos patrocínios e a vitória sobre o Fluminense elevaram a autoestima e a confiança dos cruzmaltinos, que recebem o Criciúma, neste sábado, às 18h30, em São Januário, pela nona rodada, com a expectativa de confirmarem o bom momento e subir na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro.

Há uma semana, o torcedor vascaíno vivia a angústia das últimas posições e o temor de que o ano seria de sofrimento na luta contra o rebaixamento. Atuações ruins, a derrota para o Flamengo e a falta de recursos para contratações apontavam um futuro imediato tenebroso.

Mas ao contrário do tempo no Rio de Janeiro, o céu cruzmaltino clareou e a perspectiva é de melhores mares a serem navegados. O principal motivo é mesmo o retorno de Fagner e a aquisição de Guiñazu. Somados a Juninho Pernambucano, que reestreou com destaque contra o rival tricolor, os dois reforços dão ao técnico Dorival Júnior mais experiência e qualidade em setores importantes.

O veterano volante ainda não poderá fazer sua estreia por motivos burocráticos, e não físicos. "O Guiñazu fez pré-temporada no Libertad, estava treinando normalmente e os resultados das avaliações foram excelentes. O que falta um pouco é trabalhar com o grupo", disse o preparador Celso de Rezende à rádio Brasil. Mas o torcedor pode ter a boa surpresa de ver Fagner em campo. O lateral-direito tem boas condições físicas e deve ficar no banco de reservas, com possibilidades de fazer uma aparição no segundo tempo.

Com 10 pontos e em 10.º lugar na classificação, o Vasco pode dar bom salto na tabela com uma vitória. O time vai ser o mesmo que derrotou o Fluminense por 3 a 1 e Dorival Júnior treinou muito a bola parada no último treino, dispensando o rachão habitual. "É natural (manter a equipe), afinal tiveram uma boa apresentação contra o Fluminense. Mas ainda não é possível falar em time ideal. Estamos distantes disso. É muito cedo ainda. A titularidade é momentânea", alertou o técnico.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.