Maurícia da Matta / E. C. Vitória
Maurícia da Matta / E. C. Vitória

Com baixas e reforços, Vitória quer voltar a ganhar para dar fim à má fase

Rodrigo Andrade pede atenção na marcação; time baiano tem a pior defesa do campeonato

Estadão Conteúdo

05 Outubro 2018 | 06h50

Depois da polêmica derrota do Vitória para o Internacional, por 2 a 1, técnico Paulo César Carpegiani vai fazer mudanças para tentar a reabilitação diante do Santos, nesta sexta-feira, pela 28.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O time precisa ganhar para acabar com a má fase.

A sequência de três derrotas seguidas - para Internacional, Botafogo e Ceará - colocou o Vitória na zona de rebaixamento, em 17.º lugar, com 29 pontos. Para ter o apoio da torcida, a diretoria colocou 3.500 ingressos ao preço promocional de R$ 10,00 para a arquibancada. Mas o torcedor tem reagido mal com a queda do time na tabela e tem se afastado, cada vez mais, do Barradão.

Carpegiani não vai poder contar com os suspensos Léo Gomes e Neilton. O volante recebeu o terceiro cartão amarelo e o atacante foi expulso por reclamar com a arbitragem após o jogo, mesmo estando no banco de reservas.

As boas notícias são as voltas de Willian Farias e Erick, liberados pelo departamento médico. O primeiro deve ser o substituto de Léo Gomes, tendo inclusive participa do jogo dos aspirantes, terça-feira. Enquanto isso, o atacante disputa vaga com Lucas Fernandes para ser o companheiro de Léo Ceará na frente.

Rodrigo Andrade, um dos líderes do elenco, acha que o time precisa, antes de mais nada, ficar muito atento na marcação. "Às vezes a gente dorme, sofre um gol e se complica. Nós precisamos evitar isso" disse.

O Vitória tem a defesa mais vazada da competição, com 48 gols, pior até do que o Sport (44) e do Paraná (37) que fecham a tabela de classificação.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.