Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Fernando Bezerra Jr./ EFE
Fernando Bezerra Jr./ EFE

Com boa atuação de Messi, Argentina domina e vence o Uruguai em Brasília

Craque argentino dá assistência decisiva para gol que garante primeira vitória na Copa América

Ricardo Magatti, Estadão Conteúdo

18 de junho de 2021 | 23h08

A Argentina controlou o Uruguai, se defendeu bem e derrotou o rival no clássico do Rio da Prata na noite desta sexta-feira por 1 a 0. Guido Rodríguez marcou de cabeça e assegurou o triunfo dos argentinos, que, se não foram brilhantes, fizeram um jogo seguro no Mané Garrincha, em Brasília, e se mantiveram invictos na Copa América. Lionel Messi se destacou com algumas jogadas geniais, enquanto que Suárez e Cavani estiveram apagados.

A Argentina iniciara a Copa América com empate em 1 a 1 contra o Chile. Agora, portanto, soma quatro pontos e divide a liderança do Grupo A com os chilenos. Já o Uruguai folgou na primeira rodada e, com a derrota em sua estreia nesta sexta, fica ao lado da Bolívia, sem pontuar.

Os dois entram em campo na próxima segunda-feira, pela terceira rodada. Às 18h, o time de Suárez e Cavani encara o Chile na Arena Pantanal, em Cuiabá. Às 21h é a vez de a equipe de Lionel Messi enfrenta o Paraguai no Mané Garrincha, em Brasília. A Bolívia folga na rodada.

A Argentina não fez muito no primeiro tempo, mas o suficiente para dominar o Uruguai e ser premiada com o gol de cabeça de Guido Rodríguez após boa jogada de Messi pelo lado esquerdo da área. O gol saiu cedo, aos 12 minutos, o que deixou os argentinos mais tranquilos e os uruguaios, nervosos.

O Uruguai teve mais a bola, avançou suas linhas, mas não conseguiu levar perigo uma vez sequer à defesa adversária. Tentou por várias vezes alçar bolas na área, mas sem sucesso, deixando de aproveitar o talento e o faro de gol de Suárez e Cavani na frente.

A dupla de ataque teve atuação discreta, ao contrário de Messi, que nem participou tanto assim, mas suas aparições foram cirúrgicas, com ótimos passes, dribles e lançamentos. Foi do camisa 10 uma boa enfiada para Molina, que invadiu a área e arriscou um chute forte, mas parou em Muslera no fim da primeira etapa.

No segundo tempo, a Argentina continuou superior. Com suas linhas bem ajustadas, se defendeu bem das investidas do rival e descolou alguns contra-ataques para matar o jogo, mas não o fez.

Messi protagonizou momentos de brilhantismo ao enfileirar marcadores e conseguir armar boas jogadas. Em uma delas, driblou três e rolou para Di María, que foi bloqueado. Depois, fez fila e foi derrubado na entrada da área. Na cobrança da falta, o astro do Barcelona tentou surpreender ao bater por baixo, mas parou na barreira.

A seleção uruguaia terminou a partida sem concluir uma vez sequer em direção ao gol. Isso dá o tom de como foi a atuação do time comandado pelo experiente treinador Óscar Tabárez, recordista mundial de jogos em comando de seleções, que mais uma vez preferiu não utilizar Arrascaeta. O jogador do Flamengo não entra em campo pela seleção de seu país desde outubro de 2020. Quem sabe possa entrar no próximo jogo e dar mais criatividade aos uruguaios, virtude que faltou nesta sexta-feira.

FICHA TÉCNICA:

ARGENTINA 1 X 0 URUGUAI

ARGENTINA - Martínez; Molina, Romero, Otamendi e Acuña; Rodríguez, De Paul (Pezzella) e Lo Celso (Palacios); González (Di María), Messi e Lautaro Martínez (Joaquín Correa). Técnico: Lionel Scaloni.

URUGUAI - Muslera; Giovanni González (Facundo Torres), Giménez, Godin e Viña; Valverde (Gorriarán), Torreira (Vecino), Bentancur (Nández) e De la Cruz (Ocampo); Suárez e Cavani. Técnico: Óscar Tabárez.

GOL - Guido Rodríguez, aos 12 minutos do primeiro tempo

ÁRBITRO - Wilton Pereira Sampaio (Brasil)

CARTÕES AMARELOS - Lo Celso, Torreira, Emiliano Martínez, Joaquín Correa, Ocampo

LOCAL - Mané Garrincha, em Brasília (DF)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.