EFE/Sebastião Moreira
EFE/Sebastião Moreira

Com caminhada e sobreviventes, Chapecoense faz homenagens e agradece ao Atlético

Após não se encontrarem na final da Sul-Americana, partida acontece nesta terça-feira

O Estado de S.Paulo

04 de abril de 2017 | 19h02

O primeiro jogo da decisão da Recopa Sul-Americana estava marcado para as 19h15 desta terça-feira, na Arena Condá, mas, horas antes da partida entre Chapecoense e Atlético Nacional, homenagens do time e da torcida catarinenses já movimentavam a aguardada partida. O jogo será uma reedição da final da Copa Sul-Americana que não foi disputada por causa da tragédia aérea que vitimou a maior parte do elenco do time brasileiro em novembro de 2016, na Colômbia.

As homenagens tiveram início no começo da tarde, quando torcedores da Chapecoense fizeram caminhada do centro da cidade até a Arena Condá. Na chegada ao local, deram um abraço coletivo no estádio.

Dentro da arena, a Chapecoense deu início ao "show da gratidão" por volta das 18 horas, com discursos de dirigentes das duas equipes. A gratidão era endereçada ao Atlético Nacional, pelas homenagens que fez ao time brasileiro e pelo acolhimento aos familiares e aos amigos das vítimas após o acidente aéreo, em solo colombiano.

Quatro dos seis sobreviventes do acidente, Rafael Henzel, Alan Ruschel, Jackson Follmann e Neto participaram do grande evento. Eles entraram de mãos dadas no gramado e fizeram discursos de agradecimento ao Atlético e àqueles que deram suporte aos jogadores e vítimas diante da tragédia. "Não esperem um avião cair para dar um abraço, para dar um beijo, para dizer 'eu te amo'. Não esperem o ruim para fazer o bem", disse o zagueiro Neto.

Em seguida, o cantor Duca Leindecker foi até o centro do gramado para cantar uma música, enquanto bandeiras gigantes dos dois times ocupavam boa parte do gramado. Nos telões da Arena Condá eram exibidos vídeos de famosos, com palavras de lamento pelo acidente e de estímulo para familiares e amigos das vítimas.

A Recopa é decidida em apenas dois jogos, de ida e volta. Conta com os vencedores da Copa Libertadores e da Copa Sul-Americana, cujo troféu ficou com a Chapecoense, a pedido do próprio Atlético Nacional, após o acidente, mesmo sem a disputa das duas partidas da final.

E, como o Atlético foi campeão da Libertadores, a Recopa acabou reunindo os dois times que não chegaram a se enfrentar no início de dezembro, pela sul-americana. Inicialmente, este jogo de ida da Recopa não poderia ser disputada na Arena Condá. Mas novamente o time colombiano interveio para a realização do jogo em Chapecó, embora as regras da Conmebol impedisse a disputa de um jogo decisivo como este num estádio com capacidade menor de 40 mil torcedores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.