Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com caxumba, Richarlison participa de reuniões da seleção via teleconferência

Elenco e comissão técnica usam tecnologia para manter o atacante integrado ao dia a dia da equipe

Ciro Campos, enviado especial a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2019 | 11h00

A seleção brasileira arrumou um jeito de fazer o atacante Richarlison participar do dia a dia do time mesmo sem estar presente com o grupo em Belo Horizonte, local da próxima partida pela Copa América. Como o jogador se recupera de caxumba, está em Porto Alegre e permanece distante do convívio dos demais colegas para evitar contágio, a solução foi incluí-lo via teleconferência em reuniões do grupo.

O elenco está em Belo Horizonte desde a noite de sexta-feira, em preparação para a semifinal da competição, contra a Argentina, terça-feira, no Mineirão. A equipe realizou neste sábado a primeira atividade em solo mineiro, na Cidade do Galo, e antes do trabalho, os jogadores e o técnico Tite se reuniram no hotel para conversar sobre a próxima partida. O encontro teve a participação de Richarlison via teleconferência.

A CBF espera que o atacante tenha condições de se reapresentar ao grupo nesta segunda-feira, em Belo Horizonte. Os médicos responsáveis por acompanhar Richarlison avaliam que o quadro de caxumba evoluiu e em breve ele poderá retornar ao time. A detecção da doença levou a comissão técnica a decidir vacinar todas as 64 pessoas da delegação, precaução tomada ainda em Porto Alegre, na madrugada de sexta-feira.

Durante toda a preparação para a Copa América dez jogadores da seleção brasileira tiveram problemas médicos variados. Houve o corte de Neymar por lesão no tornozelo direito, problemas com atletas como Filipe Luís, Arthur e Fernandinho, mais casos curiosos, como a caxumba de Richarlison e um acidente com Allan, que escorregou e na queda cortou a cabeça minutos antes do jogo com o Paraguai. O volante do Napoli teve de entrar em campo com uma faixa.

Com tantas dificuldades e obstáculos até inusitados, o zagueiro Thiago Silva considera que os problemas ajudaram o elenco a crescer. "Isso fortalece o grupo. Quando você tem situações assim, o grupo se fecha ainda mais. Depois que o Neymar foi cortado ficou um clima, uma tristeza de perdermos nosso melhor jogador. Mas isso te dá a chance se se preparar um pouco mais para as dificuldade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.