Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

Com cinco jogadores, campeão Atlético-MG domina 'esvaziado' Prêmio Brasileirão

Apenas metade dos 12 escolhidos foi à sede da CBF receber a honraria; mineiros estão concentrados para a final da Copa do Brasil

Marcio Dolzan/RIO, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2021 | 22h25

Com cinco jogadores mais o técnico Cuca, o campeão Atlético-MG dominou a seleção dos melhores do Campeonato Brasileiro. A lista foi anunciada na noite desta sexta-feira durante o esvaziado Prêmio Brasileirão - apenas metade dos 12 escolhidos foi à sede da CBF receber a honraria.

A seleção dos melhores do campeonato tem Weverton (Palmeiras); Yago Pikachu (Fortaleza), Gustavo Gómez (Palmeiras), Junior Alonso (Atlético) e Guilherme Arana (Atlético); Edenilson (Internacional), Jair (Atlético), Raphael Veiga (Palmeiras) e Nacho Fernandez (Atlético); Hulk (Atlético) e Michael (Flamengo), além do técnico Cuca (Atlético). O artilheiro Hulk foi escolhido o craque do campeonato. O meia André, do Fluminense, foi escolhido o jogador revelação.

A cerimônia realizada na Barra da Tijuca foi marcada pela baixa presença de atletas, algo bem diferente do que foi visto em outros anos. Apesar de dominar a seleção do campeonato,  nenhum jogador do Atlético apareceu para receber a premiação. Isso porque o time ficou concentrado em Belo Horizonte para a primeira partida das finais da Copa do Brasil, que acontece no domingo, diante do Athletico.

Assim, quem mais marcou presença foram os jogadores do Palmeiras - Weverton, Gustavo Gómez e Raphael Veiga foram receber o prêmio. Yago Pikachu, Edenilson e Michael foram os outros que apareceram. 

"Individualmente foi um ano muito bom. Acredito que, na questão de números, tenha sido minha melhor temporada. Aflorei mais meu lado ofensivo, e pra mim foi muito bom. Alcançar a seleção foi um sonho incrível", disse o colorado Edenilson ao chegar à sede da CBF. "Como time, Internacional, queríamos vaga na Libertadores e uma melhor posição na tabela. Acho que é o que o clube merece e camisa pede, mas a gente falhou."

Apesar da baixa adesão à festa e dos altos e baixos do campeonato, o presidente interino da CBF, Ednaldo Rodrigues fez um discurso exaltando a temporada. Baiano de Vitória da Conquista, ele ainda brincou sobre o que espera do próximo ano, que terminará com a Copa do Mundo do Catar. "Se me permitem o trocadilho, espero que 2022 seja mais um ano de vitórias e conquistas para o nosso futebol."

O dirigente, contudo, reconheceu o momento conturbado por que passa a arbitragem brasileira, que recebeu fortes críticas em relação à atuação do VAR. "Em que pese os altos investimentos realizados pela CBF em tecnologia e treinamento, temos a consciência de que as melhorias são necessárias e urgentes", afirmou Rodrigues.

Além da seleção dos melhores, o Prêmio Brasileirão também concedeu outros troféus. Equipe mais disciplinada, o Corinthians recebeu o Troféu Fair Play. O time teve média de 11 faltas por jogo e recebeu "apenas" 61 cartões amarelos ao longo das 38 rodadas do Brasileirão.

O zagueiro Klaus e o massagista do Ceará, seu Orlando, por sua vez, receberam o prêmio "não é só futebol". Foi uma homenagem da CBF ao fato de que, enquanto se recuperava de uma lesão, o defensor decidiu ajudar na alfabetização o funcionário. Orlando se emocionou ao receber o prêmio.

Bruno Arleu foi escolhido o melhor árbitro, com Fabricio Vilarinho e Guilherme Camilo apontados como os melhores assistentes. Daniel Bins foi considerado o melhor árbitro de vídeo. E o gol de Michael diante da Chapecoense foi eleito o mais bonito da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.