Com cotas de TV bloqueadas, nova diretoria do Guarani busca soluções para Série B

Clube receberia R$ 4,2 milhões para disputar a Série B

Estadao Conteudo

25 de abril de 2017 | 20h26

O novo presidente do Guarani, Palmeron Mendes Filho, esteve na sede da CBF, no Rio, nesta terça-feira, ao lado de Horley Senna, que deixa o cargo, para oficializar a mudança na gestão do clube. Visando a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro, o dirigente afirmou que as cotas de TV estão bloqueadas, o que pode complicar o trabalho da nova diretoria.

As cotas da Série B eram de R$ 5 milhões, mas caíram para R$ 4,2 milhões neste ano. Palmeron Mendes Filho explicou que o time campineiro não poderá usufruir deste montante que entraria em caixa no segundo semestre. "As cotas estão totalmente bloqueadas por ações trabalhistas. O clube já enfrentou obstáculos maiores e vai superar mais essa dificuldade", prometeu.

O novo presidente aproveitou também para desmentir as especulações de mudanças radicais no departamento de futebol, como as saídas de Marcus Vinícius e Anailson Neves, que vem recebendo críticas de uma parcela da torcida. "Vamos manter o trabalho que vem sendo feito. Estamos chateados por não termos alcançado os objetivos que queríamos na Série A2 do Campeonato Paulista, mas é hora de pensar no Campeonato Brasileiro", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolfutebolGuarani

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.