Lucy Nicholson/Reuters
Lucy Nicholson/Reuters

Com David Beckham vaiado, Milan e Galaxy empatam

Torcedores norte-americanos não perdoaram a temporada do astro no time italiano; placar ficou no 2 a 2

AE-AP, Agencia Estado

20 de julho de 2009 | 09h10

Na primeira partida de David Beckham em casa desde seu retorno ao Los Angeles Galaxy, a torcida da equipe norte-americana não perdoou o inglês. Ele foi alvo de vaias e discutiu com um torcedor no empate por 2 a 2 com o Milan, na noite de domingo, em amistoso.

Veja também:

linkAmérica-MEX bate Inter no pênaltis em torneio nos EUA

A fúria da torcida tem explicação. Beckham perdeu metade da temporada da Major League Soccer - a primeira divisão do futebol no país - para jogar pelo Milan, afim de chamar a atenção do treinador da seleção inglesa, Fabio Capello. O amistoso de domingo, inclusive, era parte do acordo entre Milan e Galaxy pelo empréstimo do meia.

Em campo, o Milan abriu o placar aos 16 minutos, com o brasileiro Thiago Silva. O ex-jogador do Fluminense desviou de cabeça após cobrança de falta pela direita do ataque. Ainda no primeiro tempo o Galaxy buscou o empate com Alan Gordon. A jogada do gol começou com Beckham, que achou Landon Donovan livre. O astro da seleção norte-americana rolou para Gordon apenas completar para o fundo das redes.

Na saída do gramado, no intervalo, um torcedor pulou das arquibancadas para tentar agredir Beckham. Os dois discutiram e o homem teve de ser contido pela segurança do estádio.

Aos 16 minutos do segundo tempo, Ronaldinho fez boa jogada no meio-campo e lançou Flamini, que avançou pela direita e cruzou para Inzaghi marcar o segundo do Milan. Quatro minutos depois, o Galaxy voltou a empatar, e novamente com participação de Beckham.

O inglês cobrou escanteio na cabeça de Bryan Jordan, que completou para o fundo das redes, empatando novamente a partida. Aos 30 minutos da segunda etapa, Beckham foi substituído. Mesmo depois de participar dos dois gols do Galaxy, ele foi vaiado por grande parte da torcida local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.