Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Com dificuldades financeiras, Corinthians pretende vender jogadores após a Copa

Sem dinheiro em caixa, clube conclui que única forma de melhorar saúde financeira é negociando alguns de seus principais atletas

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2018 | 07h01

Com dificuldades financeiras, a diretoria do Corinthians concluiu que o único jeito de melhorar a situação é através da venda de jogadores. Em 2017, o presidente Roberto de Andrade decidiu segurar todo mundo em nome do título brasileiro e chegou a hora de pagar a conta. Valorizados, vários atletas têm propostas ou sondagens para sair e a chance de ter diversas mudanças é grande – já tem um atleta com o futuro definido.

+ Loss nega pressão, mas quer vitória para ter tranquilidade

+ Pedrinho volta ao time e Loss define o Corinthians 

Fagner, Balbuena, Romero, Pedro Henrique e Rodriguinho são alguns dos que podem ser vendidos para melhorar as finanças do clube e Maycon é certo que vai embora. O Corinthians fechou o ano passado com déficit de R$ 35 milhões. Depois do Brasileirão, arrecadou cerca de R$ 50 milhões, que ainda estão sendo pagos, através da venda de Guilherme Arana e Jô. O presidente Andrés Sanchez espera aproveitar a valorização do elenco para fazer mais e melhores negócios.

Maycon acertou a transferência para o Shakhtar Donetsk e se apresenta ao novo clube após a Copa. Ele foi vendido por ¤ 6,6 milhões (R$ 27,6 milhões, pela cotação de ontem) e o Corinthians – dono de 80% dos direitos econômicos – ficará com R$ 22 milhões, que virão parcelados. Segundo o jornal Corriere Dello Sport, da Itália, Romero está na mira do Bologna e o clube europeu deve formalizar uma oferta em breve. 

O atacante rompeu, no fim do ano passado, com o empresário paraguaio Daniel Campo, e agora é seu irmão, Fernando Romero, quem gerencia sua carreira. O Corinthians tem 20% dos direitos do jogador e pode comprar mais 30% por R$ 2 milhões, mas ainda não manifestou interesse no negócio. 

Quanto a Balbuena, o defensor paraguaio renovou recentemente o contrato e colocou a multa rescisória de apenas ¤ 4 milhões (R$ 17,2 milhões) para ser vendido. O baixo valor, inclusive, foi uma das exigências dos representantes do jogador para a renovação acontecer.

Clubes do Oriente Médio chegaram a sondar o xerife corintiano. Sua intenção, entretanto, é conseguir uma transferência para a Europa. O Corinthians é dono de 100% dos direitos econômicos do paraguaio. 

Até reserva pode arrumar as malas e partir. O zagueiro Pedro Henrique tem negociações adiantadas com o Benfica e um acordo pode ser selado nos próximos dias.

A nova China

Dois titulares absolutos com futuro incerto são Fagner e Rodriguinho. O presidente Andrés Sanchez disse, quando o técnico Fábio Carille deixou o clube, que a Arábia Saudita seria a nova China, por causa de seu poderio financeiro e, de fato, os sauditas devem mexer com o mercado brasileiro. 

O lateral e o meia eram os homens de confiança de Fábio Carille e já foram sondados por clubes do exterior. No caso de Fagner, ele será valorizado por causa da Copa do Mundo e mais ofertas devem chegar. Quanto a Rodriguinho, ele considera a possibilidade de deixar o clube, caso chegue uma proposta tentadora. 

Tudo o que sabemos sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.