Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

Com dois a mais, Chelsea bate Arsenal e alivia pressão no Inglês

Blues voltam a vencer em duelo com confusão entre brasileiros

Estadão Conteúdo

19 de setembro de 2015 | 10h51

Em meio a um péssimo início de temporada no Campeonato Inglês, seu pior desde 1986, o Chelsea voltou a dar motivos para seu torcedor sorrir neste sábado. Em casa, no Stamford Bridge, a equipe venceu o clássico diante do Arsenal por 2 a 0, com gols de Zouma e Hazard, e aliviou a pressão sobre o técnico José Mourinho.

Para alcançar o triunfo, o Chelsea contou com uma atuação polêmica do árbitro Mike Dean, que expulsou dois jogadores do adversário. No fim do primeiro tempo, mostrou cartão vermelho para Gabriel Paulista após confusão com Diego Costa, que ficou em campo. Já na etapa final, foi a vez de Cazorla deixar o campo mais cedo, por entrada em Fabregas.

Alheio a isso, o Chelsea aproveitou para vencer pela segunda vez em seis rodadas e chegar aos seis pontos, em 11.º. Quarta-feira, volta a campo pela Copa da Liga Inglesa, contra o Walsall. Já o Arsenal tem dez pontos, em quarto, e também joga pela Copa da Liga Inglesa na quarta, em novo clássico, desta vez contra o Tottenham.

Cauteloso, o Chelsea começou o jogo em ritmo lento neste sábado. Apesar de manter a posse de bola, só chegou pela primeira vez aos 31 minutos. Fabregas deu lançamento perfeito para Pedro, que aproveitou a desatenção de Monreal. Mas o espanhol se atrapalhou no domínio e Petr Cech, esperto, saiu para abafar a finalização.

Com dificuldade para criar, o time da casa tentava de longe, com Zouma e Pedro, mas era pouco. Até que aos 45 minutos tudo mudou. Diego Costa e Gabriel Paulista se desentenderam e o árbitro deu amarelo para ambos. Os dois seguiram se provocando, o zagueiro do Arsenal deixou o pé no atacante do Chelsea, em uma espécie de "coice", e o árbitro viu. Resultado: cartão vermelho para ele.

Com um a mais, o Chelsea foi para cima logo no início do segundo tempo e teve bom momento com Pedro. Mas seria de bola parada que o time da casa abriria o placar. Aos sete minutos, Fabregas cobrou falta sofrida por ele, Zouma aproveitou desatenção da marcação do Arsenal e subiu sozinho quase na pequena área, cabeceando para o chão, sem chance para Cech.

Mesmo em desvantagem, o Arsenal teve a grande chance para deixar tudo igual pouco depois, quando Alexis Sánchez jogou para fora após falha incrível da defesa. O Chelsea respondeu no talento de Hazard, que quase marcou um golaço ao receber na intermediária, arrancar e bater rente à trave.

O que já estava difícil para o Arsenal, complicou ainda mais aos 33 minutos, quando Cazorla recebeu o segundo cartão amarelo por entrada em Fabregas e também deixou o campo mais cedo.

O time visitante, então, parou de atacar e tratou de impedir que a derrota virasse uma goleada. O Chelsea também parecia confortável com o resultado e não insistia muito. Em uma das poucas idas ao ataque, selou o placar nos acréscimos. Hazard aproveitou sobra na entrada da área e finalizou, a bola desviou em Chambers e matou Cech.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.