Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Com dois de Messi, Barcelona vence Real Madrid por 3 a 2 e é campeão da Supercopa

Craque argentino brilha e time catalão já começa com título a temporada 2011/12

AE, Agência Estado

17 de agosto de 2011 | 20h01

BARCELONA - Houve um tempo em que o Real Madrid tinha o domínio do futebol espanhol. Com Xavi, Messi e Guardiola, esse tempo acabou. Nesta quarta-feira, com dois gols e uma assistência do craque argentino, o Barcelona venceu o Real por 3 a 2 no Camp Nou e conquistou o seu primeiro título da temporada: a Supercopa da Espanha. O jogo, que marcou a estreia de Cesc Fabregas no Barça, acabou em uma confusão causada pelo brasileiro Marcelo, do Real Madrid. Inconformado com o resultado, o lateral fez falta duríssima no estreante e foi expulso, assim como seu companheiro de equipe Özil. David Villa, do time catalão, também tomou vermelho. Na partida de ida, em Madri, houve empate por 2 a 2.

Este foi o 73.º título oficial da história do Barcelona, igualando o número de taças que tem o Real Madrid. Foi também a 11.ª conquista de Pep Guardiola como treinador, tornando-se o maior campeão da história do clube catalão ao lado do holandês Cruyff. A diferença é que ele chegou a esta marca na primeira semana de sua quarta temporada enquanto que o holandês precisou de sete anos para conseguir a marca. Xavi também bateu um recorde: foi seu 17.º título pelo Barcelona. Ele é isoladamente o maior campeão do clube como jogador.

O jogo. O Barcelona chegou a ser inferior ao Real Madrid nos primeiros dez minutos, quando os visitantes marcaram sob pressão. Na defesa, contudo, a marcação não funcionava tão bem. O técnico José Mourinho insistia na linha de impedimento e pagou o preço por esta escolha. Aos 14, Messi deu excelente enfiada de bola para Iniesta, que saiu na cara de Casillas e bateu de cavadinha para abrir o placar em favor dos donos da casa.

O Real empatou aos 20, com Cristiano Ronaldo desviando, no meio da área, chute cruzado de Benzema. Depois, a partida ficou aberta. Casillas salvou o Real duas vezes, num chute de Pedro por cobertura e numa bola rasteira de Messi. Ronaldo descontou com uma pancada de fora da área que Valdés desviou antes de a bola explodir no travessão.

O segundo gol saiu pela genialidade de um dos mais discretos jogadores do Barcelona. Messi errou um domínio na área e a bola sobrou para Piqué, que devolveu de calcanhar. O argentino foi mais rápido que os marcadores, repetiu Iniesta e marcou de cavadinha.

Mourinho voltou com Marcelo no lugar de Khedira, deslocando Coentrão para o meio. O brasileiro teve de agradecer ao árbitro por ficar mais de cinco minutos em campo. Após errar o tempo de bola num lance pelo alto, ele chutou Messi, que passava pelo seu lado, e levou só o amarelo. Depois, discutiu com Dani Alves, que chegou a empurrar seu rosto. O clima estava quente.

Apostando na violência para tentar parar o Barcelona, o Real Madrid tinha dificuldades para criar chances de empatar. Só conseguiu no bate-rebate de um escanteio cobrado por Kaká, que entrou aos 32 do segundo tempo, e concluído por Benzema para o fundo das redes.

Logo em seguida, Guardiola mandou a campo Fabregas para sua estreia. Mas quem decidiu foi Messi. Ele começou a jogada, tocou para Adriano e foi para a área. O cruzamento do brasileiro, de direita, foi preciso e encontrou o argentino livre para bater de primeira e decidir o título para o Barcelona.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMessiBarcelonaReal Madrid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.