Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians

Com dois gols, Gustavo salva o Corinthians de vexame na Copa do Brasil

Atacante garante empate por 2 a 2 diante do Ferroviário

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2019 | 23h06

O atacante Gustavo salvou o Corinthians de um vexame na estreia na Copa do Brasil nesta quinta-feira, em Londrina (PR). O atacante fez dois gols no empate por 2 a 2 com o Ferroviário (CE) e garantiu a classificação à próxima fase do torneio. O Corinthians acabou avançando por estar melhor colocado no ranking da CBF e, por isso, ter a vantagem do empate. O time jogou mal, cometeu muitas falhas defensivas e voltou a mostrar falta de criatividade. Mesmo jogando "em casa", com a maioria torcida no estádio do Café  o time cearense decidiu vender  o mando de campo por R$ 450 mil -, o time de Carille acabou pressionado e se agarrou ao empate salvador. A torcida vaiou a equipe no final.

O próximo rival do Corinthians sairá do confronto entre Avenida (RS) e Guarani (SP), na próxima semana no Rio Grande do Sul.

Para o técnico Fabio Carille, a partida foi importante para observar a dupla de ataque formada por Gustavo e Vagner Love. O primeiro era a referência na área; o segundo fez sua reestreia no clube com a função de conectar o meio e o ataque, chegar à área para surpreender. A primeira grande chance do jogo nasceu exatamente dessa dobradinha. Após lançamento de Henrique, Gustavo escorou com um autêntico pivô e Vagner Love finalizou por cima. Isso foi aos 7 minutos.

Vagner mostrou mobilidade, potencial para atuar na armação das jogadas, mas o problema da equipe era a ligação direta. A exemplo do que aconteceu na melhor chance do time o zagueiro Henrique virou um lançador. Jadson demorou para participar no jogo. Curiosamente, o lateral Danilo Avelar foi um dos jogadores mais festejados pela torcida, desde o anúncio da escalação do time paulista. Foram duas razões: ele é natural de  Paranavaí, também no Paraná, e foi o autor do gol no clássico diante do Palmeiras.

O Ferroviário não fez o papel tradicional de time pequeno que se segura para não sofrer uma goleada. Organizado e eficiente na troca de passes, a terceira força do futebol cearense conseguiu abrir o placar. Após boa jogada de Janeudo, um dos bons jogadores do time, Klenisson cabeceou e Cariús aproveitou rebote da bola na trave. Foi o nono gol de Cariús em nove jogos na temporada. Cinco minutos depois, o atacante acertou um voleio que exigiu grande defesa de Cassio. Bom jogador.

O gol não assustou o Corinthians e sua grande torcida no estádio do Café. Não deu tempo de temer uma zebra. Cinco minutos depois, após cobrança de escanteio, o Corinthians empatou. O goleiro Gleibson soltou a bola nos pés de Gustavo: 1 a 1.

O Corinthians jogou em casa em Londrina, com maioria dos 19 mil pagantes. Isso fez com que o clube não se abalasse com o gol sofrido. Os dois últimos jogos do time já haviam reunido grande público. Em 2012, na última vez que esteve no Estádio do Café, o Corinthians empatou com o Flamengo em um amistoso, que reuniu 21,3 mil pagantes. Antes, em 2008, 28,8 mil assistiram ao empate com o Marília, então pela Série B do Brasileiro.

No primeiro tempo, a torcida não teve muitos motivos de vibração. O time teve muitas dificuldades para criar jogadas. Sornoza e Jadson continuaram apagados, os laterais avançaram pouco, a dupla Love e Gustavo parou de se entender. Faltou profundidade. Pior: a defesa continuou a se mostrar vulnerável nos ataques do Ferroviário e continuou sofrendo na bola aérea, a exemplo do que aconteceu no clássico com o Palmeiras.  

Os problemas viraram motivo de preocupação quando o Ferroviário fez o segundo gol no segundo tempo. O roteiro já havia se repetido na partida: movimentação de Cariús dentro da área e falha da zaga corintiana. Ele desviou em um tipo de voleio e recolocou o time cearense em vantagem. Novamente, o time paulista conseguiu o empate rapidamente. Gustavo acertou belo chute de perna esquerda e fez 2 a 2.

Mesmo com a igualdade, o Ferroviário continuou a levar perigo. Enercino acertou um chute cruzado perigoso e Cássio salvou. Carille tentou reequilibrar a força ofensiva trocando Vagner Love, cansado, por Pedrinho. Também entraram Mateus Vital e Boselli. O time, no entanto, parecia cansado. Nos minutos finais, o time não conseguiu mais atacar e sofreu pressão do Ferroviário. O Corinthians se agarrou ao empate para se classificar. Mesmo jogando "em casa" em Londrina.

Ficha técnica

Ferroviário 2 x 2 Corinthians

Gols: Cariús, aos 14 minutos do 1º tempo e aos 9 do 2º T; Gustavo, aos 19 minutos do 1º T e aos 11 do 2º T

Ferroviário: Gleibson; Gustavo, Luis Fernando, Da Silva e Fernandes (Jean); Mazinho, Leanderson (Emerson Catarino), Enercino (Isaac Prado) e Janeudo; Klenisson e Edson Cariús. Técnico: Marcelo Vilar.

Corinthians: Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Ramiro (Mateus Vital), Sornoza e Jadson; Vagner Love (Pedrinho) e Gustavo (Boselli). Técnico: Fabio Carille

Amarelos: Mazinho, Luis Fernando, Da Silva

Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior

Local: Estádio do Café (PR)

Público: 19316 pagantes

Renda: R$ 894.340,00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.