Com dor, Osmar não promete cambalhota

Osmar comemora seus gols com cambalhotas. Já foram cinco em quatro jogos. Mas amanhã, no clássico, não vai fazer pirueta nenhuma. "Meu tornozelo direito está doendo. Se fizer gol, não vai dar para dar cambalhota", diz o atacante. "Mas não penso em mim. Se eu não fizer gol, tudo bem. Penso no grupo. O importante é que o Palmeiras saia com a vitória." Apesar das dores, Osmar participou normalmente do treino rachão de hoje, pela manhã, no CT da Barra Funda, na Zona Oeste de São Paulo. Foi uma atividade leve, bem-humorada. Os jogadores brincavam uns com os outros, num clima de descontração - clima que contrastava com o do treino do Corinthians, realizado no mesmo horário, no CT do Parque Ecológico, na zona leste. A descontração do rachão, porém, era apenas aparente. Desde a noite de sexta-feira os jogadores palmeirenses estão concentrados num hotel por ordem de Estevam Soares. A intenção do treinador é fazer com que os atletas pensem exclusivamente no clássico deste domingo à tarde. Para Osmar, porém, "o clássico é um jogo como outro qualquer". Ele explica por quê: "Sempre encaro um jogo como se fosse o último da minha vida. Não é porque vou enfrentar o Corinthians que mudarei a minha preparação ou o meu jeito de encarar a partida." Será a estréia de Osmar num clássico contra o Corinthians. Será a estréia também de Elson. O meia não esteve presente nos 4 a 0 do primeiro turno porque havia sido barrado por Jair Picerni, então técnico palmeirense, com quem havia brigado. Por isso mesmo, Elson não esconde que o jogo d amanhã é especial. "Foi difícil ficar fora daquele jogo, assistindo pela tevê. Agora, finalmente, terei a chance de jogar este clássico. Sei que se eu for bem, a torcida ficará mais ainda ao meu lado." Barrado por Picerni, Elson é agora uma espécie de xodó de Estevam Soares. No meio-de-campo palmeirense, só ele e o ídolo Magrão têm lugar cativo. "O Estevam treinou com três formações e eu fiz três funções diferentes para ele. Seja qual for a que ele escolher, fico contente de poder ajudar, tendo a confiança dele", diz Elson. Ele explica quais são as tais funções. Mas não arrisca apontar qual será a escolhida pelo técnico. "Na primeira, sou volante ao lado do Magrão, com Corrêa como zagueiro e Pedrinho como meia; na segunda, jogo sozinho na meia, com Marcinho, Corrêa e Magrão atrás de mim; na terceira, jogo como meia ao lado do Diego, com Marcinho e Magrão como volantes." São muitas as opções para Estevam, que só divulgará a escalação momentos antes da partida. Certeza, porém, é que Baiano joga. O lateral estava com uma furunculose, mas se recuperou e vai para o jogo. Palmeiras: Sérgio; Baiano, Nen, Gabriel e Lúcio; Marcinho (Pedrinho), Correa, Magrão e Elson; Thiago Gentil e Osmar. Técnico: Estevam Soares.

Agencia Estado,

28 Agosto 2004 | 16h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.