Com erro de juiz, Argentina bate México e vai às quartas

A seleção da Argentina confirmou o favoritismo neste domingo e derrotou o México por 3 a 1, no estádio Soccer City, em Johannesburgo. A vitória, que garantiu vaga nas quartas de final da Copa do Mundo, foi marcada por um grave erro da arbitragem no primeiro gol da partida.

FELIPE MENDES, Agência Estado

27 de junho de 2010 | 17h40

Em posição de impedimento, Tevez abriu o placar aos 25 minutos de jogo, de cabeça. O gol abriu a retranca mexicana, que não resistiu ao bom volume de jogo do ataque rival e cedeu outros dois gols. No segundo tempo, Hernandez descontou com um belo gol, mas não foi o suficiente para ameaçar a vitória argentina.

O resultado repetiu o confronto das oitavas de final do Mundial de 2006, quando os argentinos eliminaram os mexicanos na prorrogação. E, assim como na Copa passada, o time sul-americano terá pela frente a Alemanha pela frente, no próximo sábado, às 11 horas (de Brasília), no estádio Green Point, na Cidade do Cabo.

Neste domingo, os alemães golearam a Inglaterra por 4 a 1 e se classificaram para disputar as quartas de final, em partida também marcada por uma falha da arbitragem. A Argentina tentará evitar o resultado do Mundial passado, quando foi eliminada nas cobranças de pênaltis, após empate por 1 a 1 no tempo normal e 0 a 0 na prorrogação.

Já os mexicanos mantiveram a sina de cair nas oitavas de final de um Mundial. Foi a quinta vez seguida que a equipe foi eliminada nesta fase. O time buscava igualar as campanhas de 1970 e 1986, quando alcançou as quartas de final, ambas as vezes em uma Copa disputada em seu território.

O JOGO - Como aconteceu nas partidas anteriores, o México tomou a iniciativa e tentou dar velocidade ao jogo. Antes de completar o segundo minuto, a equipe levou perigo no primeiro lançamento para o ataque, buscando o atacante Giovanni dos Santos.

Mesmo com mudanças na defesa, a Argentina se segurou bem. O volante Verón ficou no banco, enquanto Maxi Rodriguez começou como titular. Sem Samuel, ainda machucado, Maradona escalou Burdisso na zaga, ao lado de Demichelis. Na lateral direita, Otamendi substituiu Gutierrez.

A defesa argentina, porém, não escapou de levar sustos no início. Foi o México quem criou as primeiras boas chances de gol e chegou com perigo por duas vezes em menos de um minuto. Aos 7 minutos, Salcido arriscou de muito longe e acertou o travessão, assustando o goleiro Romero. Na sequência, Guardado recebeu pela direita e bateu de fora da área. A bola fez uma curva e passou rente à trave esquerda da meta argentina.

Mas era o time de Maradona que controlava o jogo. Valorizava a posse de bola no meio de campo, à espera de um espaço na defesa rival para uma investida de Messi ou Tevez. Os mexicanos evitavam os contra-ataques ao avançar em velocidade e recuar com a mesma rapidez. Assim, deixava pouco espaço para o meio de campo argentino criar jogadas mais perigosas.

A defesa do México dava conta do serviço até que o assistente cometeu grave erro e acabou prejudicando a estratégia do técnico Javier Aguirre. Aos 25, Messi armou pelo meio e lançou Tevez, que parou na defesa. No rebote, o mesmo Messi deu novo lançamento para o atacante, em posição de impedimento, cabecear para o fundo das redes. Os jogadores mexicanos reclamaram bastante com o assistente, mas o árbitro confirmou o gol.

O gol irregular da Argentina abalou a equipe adversária, que caiu de produção e cedeu mais espaço em campo. A situação do time mexicano ficou mais complicada aos 32 minutos, quando Osorio vacilou na defesa e armou o segundo gol argentino. O lateral entregou a bola nos pés de Higuaín, que invadiu a área, driblou o goleiro e mandou para o gol. O atacante chegou ao seu quarto gol nesta Copa e se isolou na liderança da artilharia.

O segundo gol desequilibrou ainda mais a partida. Mesmo abatidos, os mexicanos não se intimidaram e foram para o ataque na tentativa de reduzir o placar. Contudo, a seleção não mostrou o mesmo desempenho do início do jogo. No melhor arremate, Rafa Marquez bateu de longe e parou nas mãos de Romero, aos 43 minutos. Nos acréscimos, Hernandez não conseguiu completar cruzamento perigoso na pequena área e o goleiro fez a defesa com tranquilidade.

Na volta do intervalo, o México repetiu a postura do início do jogo e foi para cima na tentativa de se manter com chances de vitória. Mas Tevez tratou de definir a partida logo aos 6 minutos, em um belo gol. Após cortar o marcador, ele bateu forte de fora da área e acertou o ângulo esquerdo do goleiro Perez.

O terceiro gol, porém, não desmotivou o México. Liderada pelo jovem Hernandez, a seleção de Aguirre não deu sossego para a defesa argentina. Aos 14, Barrera fez grande jogada individual pela esquerda, driblou o marcador e bateu fechado, na rede, pelo lado de fora. Três minutos depois, Hernandez cabeceou com perigo, por cima do gol. Aos 24, Heinze precisou se esticar para evitar o gol mexicano, ao desviar de cabeça na linha.

Depois de seguidas investidas, a equipe mexicana foi premiada aos 25 minutos. Hernandez recebeu na entrada da área, girou rápido sobre a defesa argentina e encheu o pé, sem dar chances para o goleiro Romero. O gol deu maior motivação aos jogadores. Mas, desta vez, o ataque mexicano parou na defesa da Argentina, cada vez mais recuada.

O reforço na zaga impediu uma goleada dos sul-americanos. Messi ficou mais isolado no setor ofensivo, enquanto Tevez foi substituído por Verón. O melhor jogador do mundo em 2009 até teve duas chances de gol, mas manteve o seu jejum de gols nesta Copa do Mundo.

Ficha Técnica:

Argentina 3 x 1 México

Argentina - Romero; Otamendi, Demichelis, Burdisso, Heinze; Mascherano, Maxi Rodriguez (Pastore), Messi e Di Maria (Gutierrez); Tevez (Verón) e Higuaín. Técnico: Diego Maradona.

México - Perez; Osorio, Rodriguez, Rafa Marquez e Salcido; Torrado, Guardado (Franco), Hernandez, Juarez, Bautista (Barrera); Hernandez e Giovanni dos Santos. Técnico: Javier Aguirre.

Gols - Tevez, aos 25, e Higuaín, aos 32 minutos do primeiro tempo. Tevez, aos 6, e Hernandez, aos 25 minutos do segundo tempo.

Cartão amarelo - Rafa Marquez (México).

Árbitro - Roberto Rossetti (Itália).

Público - 84.377 espectadores.

Local - Estádio Soccer City, em Johannesburgo (África do Sul).

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolArgentinaMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.