Eraldo Peres/AP
Eraldo Peres/AP

Com estádio ainda vazio, Brasília tem confusão nas ruas

Expectativa dos organizadores é que o público acesse o local mais perto do horário do início da partida

ALMIR LEITE E RICARDO DELLA COLETTA, Agência Estado

07 de setembro de 2013 | 15h13

BRASÍLIA - Uma hora depois da abertura dos portões, o Estádio Mané Garrincha está praticamente vazio. Poucos torcedores chegaram cedo para assistir à partida amistosa entre Brasil e Austrália, a partir das 16h15 deste sábado, e a expectativa dos organizadores é que o público acesse o local mais perto do horário do início da partida.

A exemplo do ocorrido na partida inaugural da Copa das Confederações, os portões do estádio brasiliense foram abertos depois do horário programado. Em 15 de junho, quando o Brasil venceu o Japão por 3 a 0, os torcedores começaram a entrar no Mané Garrincha com 40 minutos de atraso. Naquele dia, os fortes protestos nos arredores do estádio motivaram o adiamento da liberação do acesso.

Neste sábado, o atraso foi de 20 minutos. Os arredores do estádio estavam bastante policiados - 1.800 policiais foram designados para fazer a operação de segurança do amistoso - e um cordão de isolamento para tentar evitar que manifestantes alcançassem o entorno foi montado a cerca de 1,5 quilômetro do Mané Garrincha.

Às 14h30 um grupo tentava caminhar em direção ao local da partida, monitorados pela polícia até mesmo de um helicóptero. O shopping Brasília, há cerca de 1 quilômetro do estádio, fechou as portas às 13h45.

A Polícia Militar do Distrito Federal usou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para dispersar os cerca de 400 manifestantes que caminhavam em direção ao estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Neste momento, a tropa de choque presente ao Eixo Monumental, principal via de acesso ao estádio, usou balas de borracha para conter o protesto. Parte do grupo estava antes na W3 Norte, outra via importante da cidade, onde também foram registrados confrontos com a polícia militar. Os manifestantes atiraram pedras contra uma concessionária da JAC Motors e depredaram ao menos um veículo.

A CBF e os organizadores estimam que cerca de 40 mil pessoas vão assistir ao amistoso da seleção brasileira. Até o final da tarde de sexta-feira, 32 mil bilhetes haviam sido vendidos. Isso ocasionou uma mudança no planejamento de venda dos ingressos. Ao contrário do que havia sido combinado, a venda continuou neste sábado, até as 14 horas, num shopping da capital.

Por dentro, o Mané Garrincha, que tem sido usado constantemente para partidas do Campeonato Brasileiro está malcuidado. Há muita sujeira, poeira e fiação exposta na área da imprensa, sinal de improviso. Do lado externo, ainda há lixo de partidas anteriores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.