Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Com estrangeiros, Felipão comanda primeiro treino na Academia

Técnico do Palmeiras tem as presenças de Gómez e Guerra na atividade em São Paulo

O Estado de S. Paulo

06 Agosto 2018 | 16h15

O técnico Luiz Felipe Scolari, do Palmeiras, comandou nesta segunda-feira o primeiro treino na Academia de Futebol desde a volta ao clube, na semana passada. Em atividade sob chuva e frio, foram a campo os reservas que não atuaram no empate sem gols no domingo com o América-MG, em Belo Horizonte, pelo Campeonato Brasileiro, e mais o zagueiro paraguaio Gómez e o meia venezuelano Guerra, duas novidades do trabalho.

+ Fluminense bloqueia R$ 200 milhões de Palmeiras e de Scarpa

+ Jean lamenta pênalti perdido contra o América-MG

Gómez foi contratado na última semana, ao chegar emprestado pelo Milan por uma temporada. O defensor treinou pela primeira vez com a equipe e será apresentado nesta terça-feira. O paraguaio trabalhou sob a supervisão do fisioterapeuta e realizou movimentações, como corridas e simulações de jogo. Enquanto isso, quem não participou do último jogo, realizou atividade técnica de ataque contra defesa.

Outra presença no gramado foi do meia Guerra. Em recuperação de cirurgia no pé esquerdo realizada em maio, o jogador foi ao campo para algumas corridas. A previsão do clube é pelo retorno dele ao time no fim deste mês. Quem foi titular contra o América-MG realizou atividades regenerativas. Dos poupados no último jogo, Marcos Rocha e Dudu também não foram a campo.

Felipão havia comandado um único treino do Palmeiras até esta segunda-feira. O trabalho havia sido em Belo Horizonte, no CT do Cruzeiro, na véspera da partida com o América-MG. A equipe volta ao trabalho na tarde desta terça-feira. Em campo, Felipão vai organizar o time que na quinta-feira enfrenta o Cerro Porteño, em Assunção, no Paraguai, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores. A equipe já treina no país vizinho na quarta-feira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.