Phil Noble/Reuters
Phil Noble/Reuters

Com falha de De Gea, United empata com Chelsea e perde chance de passar o Arsenal

Goleiro vai mal, entrega gol para time londrino e mantém Red Devils na sexta posição

Redação, Estadão Conteúdo

28 de abril de 2019 | 15h26

Jogando em casa, o Manchester United ficou no empate por 1 a 1 contra o Chelsea neste domingo e desperdiçou a chance de ultrapassar o Arsenal e se aproximar da zona de classificação à Liga dos Campeões da Europa no Campeonato Inglês. O time da casa saiu na frente com Juan Mata, mas Marcos Alonso aproveitou vacilo do goleiro espanhol David De Gea e pegou rebote para igualar para os visitantes.

O resultado foi melhor para o Chelsea, que enfrentou um concorrente direto na briga pela vaga no torneio continental e sustentou a vantagem de três pontos. A rodada foi positiva para o time do técnico italiano Maurizio Sarri, já que o Arsenal perdeu para o Leicester City por 3 a 0 e não somou pontos.

Com isso, o Chelsea se mantém no quarto lugar, última posição da zona de acesso à Liga dos Campeões. O time azul soma 68 pontos, dois a mais que rival Arsenal. A equipe do norte de Londres está na quinta colocação, que leva à Liga Europa. Logo atrás aparece o Manchester United, com 65.

Na próxima rodada, no domingo, o Manchester United visita o lanterna e rebaixado Huddersfield Town. Já o Chelsea recebe o Watford no sábado. No mesmo dia, o Arsenal joga em casa contra o Brighton, que briga contra o rebaixamento. Na jornada seguinte, que encerra o campeonato nacional, o Arsenal visita o Burnley, enquanto que o Chelsea encara o anfitrião Leicester City. Já o United recebe o Cardiff City, que tenta sair da degola.

No confronto deste domingo no estádio Old Trafford, o Manchester United dominou a primeira etapa. Precisando mais da vitória, o time treinado pelo norueguês Ole Gunnar Solskjaer teve mais volume de jogo e criou as melhores chances. Aos 11 minutos, abriu o placar depois que o meia espanhol Juan Mata aproveitou grande jogada trabalhada para balançar a rede do conterrâneo Kepa Arrizabalaga.

Após a abertura do placar, os anfitriões continuaram melhores e mantiveram o controle do jogo, inclusive com maior posse de bola. Entretanto, não puderam ampliar. No fim da metade inicial, foi punido: o zagueiro alemão Antonio Rudiger chutou de longe, mas De Gea espalmou nos pés do lateral-esquerdo conterrâneo Marcos Alonso, que não desperdiçou e levou a partida para o intervalo com 1 a 1 no marcador.

Na segunda etapa, o jogo teve uma queda técnica, embora tenha continuado movimentado. As equipes, porém, pecavam na criação de jogadas. O meia francês Paul Pogba não foi capaz de liderar o Manchester United. Já o Chelsea não tinha criatividade e o centroavante argentino Gonzalo Higuaín pouco tocou na bola.

Antes do apito afinal, a equipe da casa até ensaiou uma pressão para conquistar o triunfo no "Fergie Time" (na época do lendário treinador Alex Ferguson, o Manchester United ficou famoso por vencer no fim do jogo).

Os mandantes tiveram duas chances, mas o atacante espanhol Pedro Rodríguez salvou em cima da linha na melhor das oportunidades, já nos acréscimos. Higuaín ainda teria tempo para desperdiçar um gol nos últimos segundos. Fim de jogo, 1 a 1 no placar. Melhor para o Chelsea, que se sustenta no G4 após mais uma rodada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.