Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Com fama de bad boy, Vida é o mais querido atleta da Croácia

Provocação em vídeo à Rússia é apenas mais um episódio na longa lista de polêmicas do zagueiro de 29 anos

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

14 Julho 2018 | 05h00

O vídeo em que Domagoj Vida dizia “Glória, Ucrânia”, uma provocação aos russos que anexaram a região da Crimeia desse país e que pegou mal e obrigou o defensor a fazer um pedido público de desculpas na televisão, é apenas mais um episódio na longa lista de polêmicas do croata de 29 anos.

+ Zagueiro croata pede desculpas por mensagem de apoio à Ucrânia

+ Fifa adverte croata por comemoração pró-Ucrânia após classificação para semifinal

+ 'Devolva minhas fantasias': vocalista do KLB brinca com jogador croata

Durante sua segunda passagem pelo Zagreb, em 2011, ele foi suspeito de participar de um esquema de fraude e manipulação de resultados. Na ocasião, a Uefa não fez uma investigação profunda, mas ficaram várias dúvidas no ar sobre uma derrota por 7 a 1 do Dínamo diante do Lyon. Em uma imagem da época, o zagueiro aparece dando uma piscada depois de um dos gols marcados do rival.

Um ano depois, ainda no mesmo clube, o jogador foi pego abrindo uma cerveja dentro do ônibus do time. Foi multado em € 100 mil (R$ 450 mil). 

Apesar da fama de bad boy, o zagueiro é um dos mais queridos e carismáticos da seleção croata. Isso ficou comprovado quando ele desfilou no gramado do estádio Luzhniki com seu filho, David, após a vitória sobre a Inglaterra. O menino sentado nos ombros do pai acenando para uma torcida ensandecida com a classificação inédita para a final da Copa comoveu o país e se tornou uma das imagens marcantes do Mundial. 

 

Com a cena familiar - um tema teoricamente valorizado pelos russos -, Vida encerrava uma partida difícil em que foi vaiado em todos os lances exatamente por causa da divulgação do vídeo favorável aos ucranianos. 

Ao longo da carreira, Vida mostrou que não é aquele tipo de jogador que fica muito tempo nos clubes. Não cria raízes. Filho do atacante Rudika Vida, ele iniciou a sua carreira na base do Ojisek e foi negociado com o Bayer Leverkusen, da Alemanha, onde jogou apenas uma partida. A torcida sequer deve lembrar de sua passagem. Depois de voltar ao país para atuar no Dínamo de Zagreb, conquistou sucesso no Dynamo de Kiev. 

Em seguida, ele foi negociado com o Besiktas, da Turquia, onde está até hoje. Segundo a imprensa croata, os problemas disciplinares o afastaram dos grandes clubes da Europa. 

As atuações regulares, a precisão no jogo aéreo e a liderança parecem ter mudando o cenário. Segundo o jornal turco Fanatik, o Liverpool planeja oferecer € 20 milhões (R$ 90 milhões) ao Besiktas pelo defensor. 

O projeto do clube inglês é repetir no torneio nacional a dupla de zaga da Croácia na Copa do Mundo - o defensor Dejan Lovren já é titular. O Besiktas quer muito mais que € 20 milhões para liberar Vida. A ideia do time de Vágner Love e Pepe é conseguir quase o dobro ou cerca de € 35 milhões (R$ 157 milhões).

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.