Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com folha de R$ 350 mil, Penapolense tenta fazer história no Paulistão

Quantia é inferior ao salário de Leandro Damião, atacante do Santos, adversário da semifinal

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2014 | 15h17

SÃO PAULO - Para chegar à final do Campeonato Paulista, o Penapolense precisará novamente travar uma batalha de opostos, desta vez contra o Santos, o melhor time do torneio e um dos mais bem pagos de São Paulo. A folha salarial do time de Penápolis chega a R$ 350 mil por mês. Com todos os integrantes da comissão técnica, o valor atinge R$ 400 mil, quantia inferior ao salário mensal do atacante santista Leandro Damião.

"Continuamos focados no nosso trabalho e na possibilidade de avançar no Paulista. Podemos fazer algo diferente contra o Santos, time que já vencemos por 4 a 1 na primeira fase do Estadual", lembra Paulo de Carvalho, gerente de futebol do Penapolense, que eliminou o São Paulo em pleno Morumbi após empate sem gols no tempo normal e vitória por 5 a 4 nos pênaltis, quarta-feira. Contra o Corinthians, a equipe empatou por 0 a 0. Entre os grandes, apenas o Palmeiras derrotou o time do Interior (1 a 0, no Pacaembu).

Segundo o gerente de futebol, o valor total dos salários apresentou aumento em relação ao ano passado, quando a equipe foi eliminado pelo próprio São Paulo, também nas quartas de final do Estadual. À época, o clube gastava R$ 250 mil para pagar todos os jogadores. "Quando subimos, não pensamos somente na disputa do Campeonato Paulista de 2013. Pensamos no futuro. Fizemos contratos longos com os jogadores", ressaltou Carvalho.

Depois, no segundo semestre, o montante da folha caiu para R$ 150 mil mensais, pois alguns jogadores de destaque foram emprestados ou vendidos. Após a boa campanha no Paulistão do ano passado, o time disputou o Campeonato Brasileiro da Série D - foram apenas oito partidas da primeira fase. Com três vitórias, a equipe não conseguiu chegar à segunda etapa. "Os jogadores emprestados retornaram no começo deste ano. Os salários aumentaram porque eles se valorizaram no mercado", diz o gerente, ex-diretor de futebol das categorias de base do Santos, entre 2009 e 2011.

SEM CONTRATO

Na reedição da partida contra o São Paulo, nesta quarta, cinco jogadores voltaram ao Morumbi: os zagueiros Jaílton e Gualberto, além do lateral-esquerdo Rodrigo Biro, do volante Liel e do meia Guaru. Carvalho diz que o planejamento deste ano será o mesmo, pois a equipe disputará novamente a Série D do Brasileiro. O principal objetivo é manter o técnico Narciso, que chegou ao clube nesta temporada. "Ele ainda está sem contrato. Vamos tentar segurá-lo."

Após eliminar o São Paulo, o time do Penapolense continuará na capital paulista até o próximo sábado, quando viajará para Santos para a disputa da semifinal. A data da partida ainda será definida pela Federação Paulista de Futebol - a disputa por uma vaga na grande decisão será sábado ou domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.