Toru Hanai/Reuters
Toru Hanai/Reuters

Com gol brasileiro, Urawa fatura Liga dos Campeões da Ásia e vai ao Mundial

Rafael Silva, ex-Coritiba, faz o gol da vitória da equipe japonesa por 1 a 0 sobre o Al Hilal, da Arábia Saudita

Estadão Conteúdo

25 Novembro 2017 | 10h58

Com um gol brasileiro nos acréscimos, o Urawa Red Diamonds, do Japão, derrotou neste sábado o Al Hilal, da Arábia Saudita, por 1 a 0, em casa, e garantiu o título da Liga dos Campeões da Ásia pela segunda vez em sua história. A conquista deu à equipe japonesa o direito de disputar o Mundial de Clubes da Fifa.

+ Messi renova com o Barcelona até 2021 com multa rescisória de R$ 2,7 bilhões

O herói da partida foi o atacante Rafael Silva, de 25 anos. Revelado pelo Coritiba em 2012, o jogador está em sua primeira temporada pelo Urawa e já cravou seu nome na história do clube ao marcar o gol da taça aos 47 minutos do segundo tempo.

O brasileiro também havia balançado as redes no jogo de ida da decisão, na Arábia Saudita, no empate por 1 a 1, e ainda foi decisivo na semifinal. Foi de Rafael Silva o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Shanghai SIPG, que garantiu a equipe na final.

A outra conquista do Urawa aconteceu em 2007. E, curiosamente, desde 2009, com o título do Gamba Osaka, que uma equipe japonesa não conquistava a Liga dos Campeões da Ásia. Agora resta apenas a definição do campeão da Libertadores para que todos os clubes participantes do Mundial sejam conhecidos.

 

 

O Grêmio está a um empate de garantir essa última vaga. O time gaúcho derrotou o Lanús por 1 a 0 na quarta-feira, em Porto Alegre, no jogo de ida da decisão do torneio continental. O duelo de volta acontece na próxima quarta-feira, na Argentina.

Real Madrid, campeão da Liga dos Campeões da Europa, Wydad Casablanca (África), Pachuca (Concacaf), Auckland City (Oceania) e Al-Jazira (país-sede) são os outros clubes participantes. A competição deste ano acontecerá entre os dias 6 e 16 de dezembro nos Emirados Árabes.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Internacional futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.