Com gol de pênalti, Vasco bate Americano no Carioca

Morais converte a penalidade e time de São Januário soma os primeiros pontos na competição

Leonardo Maia, Agência Estado

23 de janeiro de 2008 | 23h56

Foi suado, apertado, feio, mas o Vasco ganhou a primeira no Campeonato Carioca: 1 a 0 sobre o Americano. O resultado leva o Vasco à quinta colocação do Grupo B, com três pontos. O time de Campos, por sua vez, continua sem marcar ponto. O técnico Romário resolveu improvisar para buscar a primeira vitória. Ele tirou o lateral-esquerdo Calisto e improvisou o ala direito na posição. Na zaga, barrou Vílson e arriscou com o volante Xavier. Veja também: Viola atrapalha, mas Fluminense vence com seu trio ofensivo Botafogo bate o Friburguense e se mantém invicto Mesmo assim, o primeiro tempo foi de baixíssimo nível técnico. O Vasco transparecia nervosismo pela necessidade da vitória. O meio-campo não tinha desenvoltura. Morais buscava jogo, movimentando-se de um lado para outro, mas não conseguia produzir um lance de perigo. Leandro Bomfim também se esforçava, mas só assustava em chutes de longe. Vasco1Tiago; Wagner Diniz, Xavier (Vílson), Jorge Luiz e Marcus Vinícius   ; Jonílson, Beto (Amaral), Leandro Bomfim    e Morais   ; Alan Kardec e Alex Teixeira (Abuda  )Técnico: RomárioAmericano0Wender   ; Cafu, Ciro    e Gil   ; Silvan   , Leandro Leite, Rondinelli    e Isaías     (Pachola); Rodrigo Ayres (Bruninho) e Romualdo    (Alexandre)Técnico: Sérgio AlexandreGols: Morais, aos 22 minutos do primeiro tempoÁrbitro: Gutemberg de Paula FonsecaEstádio: São Januário O zagueiro americano Gil, porém, resolveu tranqüilizar as coisas para os adversários. Aos 21 minutos, cometeu tolo pênalti em Alan Kardec. Morais bateu mal mas converteu. A vantagem não inibiu a torcida de protestar contra o presidente Eurico Miranda, xingado sem sossego. Já Edmundo tinha seu nome cantando em coro. A partida seguiu arrastada, em ritmo lento. O único momento de emoção restante seria a cobrança de falta do mesmo Morais, que estourou no travessão. O Americano voltou melhor que os anfitriões e criou dois lances de perigo. Aos sete minutos, Rodrigo Ayres completou cruzamento na área para as redes, mas o bandeirinha marcou impedimento duvidoso. Três minutos depois, Xavier salvou em cima da linha cobrança de falta da Rodinelli. O Vasco se segurava e arriscava pouco, conduzindo o jogo com uma lentidão mortal. Bolas lançadas a esmo na área eram a única arma vascaína. Romário decidiu garantir o resultado e tirou Beto para entrada do volante Amaral. O Vasco recuou ainda mais e cedeu campo ao adversário, cuja falta de talento e criatividade o impediam de punir a covardia cruzmaltina. No fim das contas, um resultado celebrado mais pelo resultado matemático do que por trazer esperanças à torcida vascaína. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.