Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Com gol irregular no fim, Santos vence Red Bull Brasil no Pacaembu

Autor do último tento santista, Kayke coloca a mão na bola e ela não teria cruzado completamente a linha do gol

Estadão Conteudo

12 Fevereiro 2017 | 13h50

Com um gol irregular aos 47 minutos do segundo tempo, o Santos venceu o Red Bull Brasil por 3 a 2 no estádio do Pacaembu, em São Paulo, na manhã deste domingo, pela segunda rodada do Campeonato Paulista. Sob forte sol, o jogo foi decidido nos acréscimos em lance recheado de polêmica por causa do toque de mão de Kayke, autor do gol, e ainda da dificuldade de saber se a bola passou inteiramente a marcação do gol.

A dúvida revoltou os jogadores do time mandante. O goleiro goleiro Saulo encobriu a bola com o corpo na defesa. O final da partida contou com intensa reclamação por parte de jogadores e membros da comissão técnica do Red Bull Brasil.

Antes do terceiro gol santista, os visitantes acertaram duas bolas quase seguidas na trave, garantindo um segundo tempo de fortes emoções e muita polêmica em campo.

Vindo de uma vitória por 6 a 2 em cima do Linense na estreia, o Santos chegou aos seis pontos, igualado com o Mirassol no Grupo D do Paulistão. Ainda assim, o atual campeão regional tem vantagem no saldo de gols: cinco contra quatro. Já o Red Bull Brasil permanece com um ponto do empate com o Santo André por 1 a 1. O técnico Alberto Valentim ainda busca a primeira vitória com um time profissional. Ele era auxiliar de Cuca no Palmeiras em 2016.

O JOGO

Com um futebol envolvente, o Santos precisou apenas de 15 minutos para estrear o marcador. O volante Lucas Veríssimo subiu a marcação e conseguiu roubar a bola pelo lado direito do ataque. De primeira, ele passou para Lucas Lima, que viu Victor Ferraz na ponta e esticou. O lateral cruzou na linha da pequena área e Vitor Bueno se esticou todo para desviar e marcar.

O lance foi todo trabalhado com toques rápidos e pegou a marcação do Red Bull desmontada. Inspirado, o Santos poderia ter ampliado aos 25 minutos não fosse Rodrigão. Lucas Lima fez o que quis com a defesa, driblou três adversários e cruzou na segunda trave. A defesa tentou tirar, mas ela foi para Copete, que tocou de cabeça por cima do goleiro. Livre, ele errou o tempo da bola e desperdiçou.

A resposta dos campineiros veio num lance ainda tão plástico quanto o do adversário. Aos 28 minutos, o volante Nando Carandina conseguiu desarmar Lucas Lima no meio-campo e, com a parte de fora do pé, mandou de três dedos um lançamento em direção a Misael. O atacante ganhou dos zagueiros na velocidade, ajeitou o corpo e bateu no canto direito de Vladimir, que já estava vendido.

Rodrigão conseguiu se redimir do lance perdido aos 48 minutos do primeiro tempo, já nos acréscimos. Lucas Lima mais uma vez teve tempo para pensar e enfiou uma bola nas costas da marcação. O atacante dominou, tirou do goleiro e bateu por debaixo do goleiro Saulo, para recolocar o Santos a frente no placar e ir para o vestiário em vantagem.

SEGUNDO TEMPO

Mas o segundo tempo mostrou um Red Bull Brasil mais inspirado. Logo com 10 minutos, Elton recebeu na entrada da grande área e bateu na saída de Vladimir, mas ela explodiu na trave e assustou o time do Santos. A primeira grande chance dos praianos apareceu apenas aos 25 minutos, quando Victor Ferraz cruzou, a bola atrevessou todo o gramado e ficou com Lucas Lima, que desperdiçou.

Com 36 minutos, Denner cobrou uma falta para o Red Bull Brasil pela direita. A bola passou por toda a defesa e caiu na cabeça de Nixon. Emprestado pelo Flamengo, o atacante só escorou para o fundo das redes. Mas o time "da casa" mal pôde comemorar o empate, pois o Santos marcou no lance mais polêmico da disputa.

Também com uma falta, mas pela esquerda, os santistas jogaram a bola para área com Lucas Lima. O meia mandou para Lucas Veríssimo, que desviou de cabeça e encontrou Victor Ferraz. O lateral jogou a bola mais uma vez para a pequena área e o santista Kayke desviou com o braço. No ar, o goleiro Saulo saltou e agarrou a bola. Ele ficou deitado em cima da linha, mas o árbitro validou o gol aos 47 minutos. Seu corpo tampou a visão de todos.Os jogadores do Red Bull Brasil foram correndo em direção ao árbitro Rafael Gomes da Silva para contestar a validação do gol. Quem reclamou de forma mais acintosa foi o goleiro Saulo, que manteve os protestos com o término da disputa. Como caiu em cima da bola, o árbitro não conseguiu ver se ela ultrapassou ou não a linha completamente.

O Santos agora se prepara para enfrentar o rival São Paulo na terceira rodada. O jogo será na Vila Belmiro, em Santos, às 21h45 da quarta-feira. Já o Red Bull Brasil entrará em campo apenas na 4ª rodada, pois adiantou o jogo com o Santo André, que terminou empatado por 1 a 1. Agora só volta aos gramados no próximo sábado, dia 18, contra a Ponte Preta no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, às 19h30.

 

FICHA TÉCNICA

RED BULL BRASIL 2 X 3 SANTOS

RED BULL BRASIL - Saulo; Bruno Ferreira (Lucas Taylor), Luan Peres, Willian Magrão e Thallyson; Alison (Denner), Nando Carandina, Fillipe Soutto e Elvis (Nixon); Misael e Elton. Técnico: Alberto Valentim.

SANTOS - Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Lenadro Donizete (Léo Cittadini), Thiago Maia, Lucas Lima e Vitor Bueno (Kayke); Copete e Rodrigão (Bruno Henrique). Técnico: Dorival Júnior.

GOLS - Vitor Bueno, aos 15, Misael, aos 28, e Rodrigo, aos 48 do primeiro tempo. Nixon, aos 36, e Kayke, aos 47 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Fillipe Soutto (Red Bull Brasil); Lucas Veríssimo, Yuri e Copete (Santos).

ÁRBITRO - Rafael Gomes da Silva.

RENDA - R$ 747.511,00.

PÚBLICO - 20.412 pagantes.

LOCAL - Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP).

Mais conteúdo sobre:
Santos FC futebol Santos Futebol Clube

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.