Com golaço de Egídio, Palmeiras bate o Fluminense no Maracanã

Com golaço de Egídio, Palmeiras bate o Fluminense no Maracanã

Alviverde supera o tricolor carioca fora de casa com um belo gol do criticado lateral-esquerdo

Dani Arruda, especial para O Estado de S. Paulo

24 de setembro de 2017 | 18h11

Com um golaço de Egídio no final do primeiro tempo, o Palmeiras derrotou o Fluminense por 1 a 0, neste domingo, no Maracanã, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro

O resultado levou o atual campeão aos 43 pontos, um atrás do vice-líder Santos e a onze do líder Corinthians, o que ainda lhe dá o direito de sonhar com o bicampeonato. O time de Cuca conquistou dez dos últimos doze pontos disputados, com três vitórias (São Paulo, Coritiba,  Fluminense) e um empate (Atlético-MG). 

O Tricolor das Laranjeiras estacionou nos 31 pontos, está a quatro da zona do rebaixamento e chegou ao quarto jogo sem vitória.

O Palmeiras ainda deixou o campo reclamando de um pênalti não marcado a seu favor na primeira etapa, depois que Dudu foi atingido por Léo, dentro da área. 

Foi a 13ª vitória do time paulista no Brasileirão, a quinta como visitante (Bahia, Ponte Preta, Sport e Botafogo). O Fluminense sofreu a oitava derrota, também a quinta como mandante (Grêmio, Botafogo, Corinthians e Vasco)

Na próxima rodada o Palmeiras enfrenta o Santos, sábado, às 19h, no Allianz Parque. Para este jogo o técnico Cuca terá dois desfalques certos: Egídio e Edu Dracena receberam o terceiro cartão amarelo e cumprem suspensão automática. No domingo, o Fluminense encara o Grêmio, às 16h, em Porto Alegre. 

Após o jogo, Egídio dedicou o gol ao técnico Cuca, que o manteve no time após o lateral perder um pênalti na eliminação da Libertadores para o Barcelona, e ao apoio da família: "Perdi o pênalti na Libertadores, ficou uma situação ruim, cobranças, mas o Cuca me preservou, ele e minha família me apoiaram bastante. Voltei a jogar bem, com confiança, e foi muito importante marcar um gol nesta minha volta ao Maracanã, onde fui criado", disse o lateral. 

O primeiro tempo foi sonolento. Poucas oportunidades de gols, criatividade em baixa, emoção apenas nos minutos finais com o gol de Egídio. 

Apesar do jogo fraco, a vitória parcial do alviverde foi justa. Ainda que longe de apresentar seu melhor futebol, o Palmeiras foi superior, teve mais volume, buscou mais o ataque com Deyverson e Willian, mas perdia força quando se aproximava do gol. 

O Fluminense foi mal. Não conseguiu criar no ataque e permitiu que o Palmeiras rondasse com frequência a área de Júlio César.

Quando a primeira etapa caminhava para um empate sem gols, o Palmeiras abriu o placar. Moisés arriscou de fora da área, a bola bateu na zaga do Flu e sobrou para Egídio que, de fora da área, acertou um belo chute no ângulo esquerdo de Júlio César. 

O gol de Egídio mudou o panorama do jogo na segunda etapa. O Fluminense saiu com ímpeto para o ataque. O Palmeiras não recuou e respondeu, saiu para marcar o segundo gol e o jogo esquentou.

Aos 8 minutos, Willian encontrou Moisés dentro da área, o meia dominou e chutou rasteiro, cruzado, acertando a trave do Fluminense.  

O time carioca respondeu aos 17, na primeira vez em que conseguiu trabalhar uma jogada no ataque: Wendel tocou para Douglas, que chutou forte e obrigou Prass a fazer grande defesa.

Após os 30 minutos o Palmeiras abandonou o jogo franco, adotou uma tática mais cautelosa e já não se expôs tanto ao ataque. Cadenciou a partida e esperou pelas melhores oportunidades para sair na tentativa de ampliar o placar.  

Em um contra-ataque, aos 38 minutos, Juninho recebeu passe de Roger Guedes, saiu de frente com Júlio César, mas chutou sobre o goleiro.

Mesmo em desvantagem o Fluminense não conseguiu chegar. A carência de finalizações e a incapacidade de articular e criar jogadas no campo de ataque minaram as chances do time carioca de evitar mais uma derrota.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 0 x 1 PALMEIRAS

Gol: Egídio, aos 41 minutos do 1º tempo.

FLUMINENSE: Júlio César; Lucas, Nogueira, Frazan e Léo; Orejuela (Marlon Freitas), Wendel, Douglas (Sornoza), Gustavo Scarpa e Robinho (Wellington Silva); Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Edu Dracena, Juninho e Egídio; Jean (Thiago Santos), Tchê Tchê e Moisés; Dudu, Deyverson (Róger Guedes) e Willian (Borja). Técnico: Cuca

Cartões Amarelos: Lucas e Nogueira (Fluminense);  Edu Dracena e Egídio (Palmeiras).

Juiz: Anderson Daronco.

Renda: R$ 353.660,00.

Público: 11.208 pagantes (13.145 total).

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.