Rodrigo Coca/Ag. Corinthians
Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Com goleada na mente, Mancini promete outra postura do Corinthians em clássico

Vindo de jejum de triunfos, técnico quer usar dérbi do Brasileirão como motivação para reencontrar caminho das vitórias

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2021 | 05h00

Vagner Mancini ainda não esqueceu a goleada sofrida diante do Palmeiras por 4 a 0, em janeiro, pelo Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira, na Neo Química Arena, em São Paulo, as equipes voltam a se enfrentar, desta vez pelo Campeonato Paulista Sicredi, e o treinador promete uma postura diferente do Corinthians.

O técnico ainda não definiu quais titulares mandará a campo no clássico. Contudo, ele não admite que seus comandados se portem com displicência e nem desligados. Quer jogadores concentrados e tratando o duelo como uma decisão.

"Não tenha dúvida que foi um jogo que nos marcou bastante, a gente vinha em ascensão, saímos chateados", lembrou. "Temos a oportunidade agora de enfrentar novamente, vamos fazer de tudo para ser uma história diferente. O jogo começou agora, independente de qual equipe vai ser escalada, temos obrigação de fazer um jogo diferente daquele".

O Corinthians até começou bem o clássico, mas desmoronou após perder boas chances e sofrer o primeiro gol. Dali em diante, o Palmeiras não encontrou dificuldade para entrar na defesa corintiana.

O Corinthians soma três jogos sem sofrer gol e Mancini mostra satisfação por vir ajustando o setor. Por outro lado, não esconde o incômodo com a falta de gols do ataque, que já dura quatro partidas.

"Me incomoda muito, hoje (domingo, diante do Red Bull Bragantino) até tivemos oportunidades no primeiro tempo, poucas no segundo e o time necessita de ajustes", afirmou. "Mas a equipe não toma gols há três jogos, estamos reorganizando a equipe, é necessário que pare de tomar gols, estamos ainda nessa fase de transição”.

Diante do Red Bull Bragantino, Mancini usou dois jovens atacantes da base, Rodrigo Varanda e Kauê, um em cada etapa. Faz testes e não esconde que pode efetivá-los entre os titulares.

"Esses atletas da base que estão aqui podem se tornar titulares. Não sei se já nos próximos jogos estarão entre os 11, mas vi a estreia do Rodrigo e do Cauê como muito interessante. Abriu um leque de opções e aos poucos a gente vai montar uma equipe que seja forte. E eles podem, sim, estar entre os 11 que iniciam as partidas”, completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.