Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Com inflamação no joelho, Renato Augusto corre contra o tempo pela Copa

Comissão técnica da seleção, por enquanto, descarta o corte, mas observa situação com preocupação

Almir Leite / Enviado Especial / Londres, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2018 | 19h50

Renato Augusto corre contra o tempo. As dores no joelho esquerdo, consequência de uma inflamação, melhoraram, mas não o suficiente para que voltasse a treinar. Nesta quarta-feira, completará uma semana sem contato com a bola. A demora na recuperação, apesar do tratamento intensivo, preocupa bastante a comissão técnica da seleção brasileira. Por enquanto, a hipótese de corte está descartada. Mas, com a aproximação do início da Copa do Mundo, se a recuperação não avançar o quadro poderá mudar.

+ Willian diz viver melhor momento da carreira, mas admite: 'Não posso me acomodar'

+ Fora da Copa, Daniel Alves passa por cirurgia e diz que 'tudo correu bem'

+ Pelé vê Brasil como um dos favoritos na Copa, mas diz: 'Não temos coletivo forte'

O meio-campista tem sido submetido a até três sessões diárias de fisioterapia. Às vezes, até a noite com o auxílio do fisioterapeuta Bruno Mazzioti, que conhece desde que trabalharam juntos no Corinthians. Eles nem foram a Liverpool no fim de semana passada, onde a seleção venceu a Croácia em amistoso por 2 a 0, no retorno de Neymar. Ficaram trancados no CT do Tottenham em sessões intensivas. Ainda assim, o ritmo de recuperação de Renato Augusto é lento.

Na terça-feira, quando os jogadores voltaram aos treinamentos, Renato Augusto chegou a ir ao campo. Mas só para ouvir a preleção de Tite. Quando o treino teve início, ele retornou para a fisioterapia. Segundo informações da CBF, ele consegue fazer determinados exercícios. Mas não pode forçar.

 

Caso Tite tenha necessidade de fazer algum corte por comprovado quadro médico, terá até 24 horas da estreia, marcada para o dia 17, contra a Suíça, para fazê-lo. Nesse caso, poderá chamar qualquer jogador. Mas os meio-campistas do Grêmio Maicon e Arthur estavam na lista dos 12 nomes sobresalentes que a CBF havia enviado à Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.