Ramon Bitencourt/Vipcomm
Ramon Bitencourt/Vipcomm

Com lances duvidosos, Cruzeiro bate Palmeiras por 2 a 1

Time paulista leva gol de pênalti duvidoso e com derrota em Belo Horizonte, retorna à zona de rebaixamento do Brasileirão

FLAVIO LEONEL, O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2012 | 20h49

BELO HORIZONTE - O Cruzeiro derrotou o Palmeiras por 2 a 1, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 13.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O atacante Borges marcou os dois gols da equipe mineira, que assumiu a quinta colocação na competição, com 23 pontos. O centroavante argentino Barcos anotou o gol do Palmeiras, que caiu duas posições e voltou à zona de rebaixamento - com 10 pontos, no 18.º lugar. Os jogadores do time alviverde reclamaram muito da arbitragem, que marcou um pênalti duvidoso, que originou o primeiro gol mineiro.

Ambas as equipes tiveram desfalques para o jogo, mas o Palmeiras tinha nada menos que nove ausências. No departamento médico, Marcos Assunção, Valdívia, Thiago Heleno, Maurício Ramos, Roman, Luan e Vinícius seguiram em recuperação. O clube paulista ainda não pode contar com o lateral-esquerdo Juninho, que estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e com o lateral-direito Cicinho, em negociação com o Sevilla, da Espanha.

Do lado do Cruzeiro, as ausências de ordem médica foram as dos zagueiros Rafael Donato e Mateus. O volante Sandro Silva e o zagueiro Léo também ficaram de fora, cumprindo suspensão.

O jogo começou movimentado. Logo aos 5 minutos, depois de um passe de Tinga, o atacante Wallyson arrancou pelo lado esquerdo da grande área e arriscou um chute. A bola passou com perigo, ao lado do goleiro Bruno, mas foi para fora. Aos 12, o Palmeiras respondeu com um chute de fora da área de Patrik, com a bola seguindo por cima do travessão. Aos 15, o Cruzeiro veio com Borges, que ganhou a briga pela bola e chutou cruzado, para defesa de Bruno.

O jogo seguia as tradições do clássico entre Cruzeiro e Palmeiras e tinha bons lances de gol. Aos 24 minutos, o time mineiro teve uma grande oportunidade, depois de um forte chute de Montillo. De fora da área, a bola rasteira obrigou o goleiro palmeirense a fazer uma boa defesa. Aos 32, o lateral-direito Ceará acertou a trave, depois de uma boa cobrança de falta, que assustou os paulistas.

O Cruzeiro chegou ao gol depois de uma marcação duvidosa do árbitro gaúcho Fabrício Neves Correa, que apontou pênalti no meia Montillo, depois de um empurrão do volante João Vítor cometido fora da grande área. Aos 36 minutos, o centroavante Borges não desperdiçou a oportunidade e abriu o placar para a equipe mineira.

O Palmeiras ainda tentou o empate com algumas jogadas puxadas pelo centroavante Barcos e o meia Patrik. Em contrapartida, o Cruzeiro se segurou bem e conseguiu terminar a primeira etapa à frente do marcador.

Na volta para o segundo tempo, o técnico Luiz Felipe Scolari promoveu a primeira mudança na partida, com a entrada do atacante Obina no lugar do meia Patrik. Com isso, testou uma formação com dois centroavantes. A equipe paulista começou se arriscando mais, mas era constantemente parada pelo Cruzeiro com faltas.

Mesmo com a iniciativa palmeirense, foi o Cruzeiro que teve o primeiro lance perigoso da segunda etapa e chegou ao segundo gol. Aos 10 minutos, depois de uma jogada de Tinga, a bola sobrou na lateral direira para Wallyson, que, em posição duvidosa, cruzou para Borges tocar para o fundo das redes: 2 a 0.

Aos 13 minutos, a equipe mineira teve chance de ampliar. Depois de receber lindo passe, Wallyson tentou encobrir Bruno, que deu um tapa na bola e evitou o pior para a torcida alviverde. Aos 22 minutos, um novo lance de empurrão resultou em pênalti no jogo, desta vez a favor do Palmeiras e dentro da área. Em uma arrancada, Maikon Leite, que havia entrado minutos antes no lugar de Daniel Carvalho, foi deslocado pelo zagueiro Victorino, que levou cartão amarelo. Na cobrança, o atacante Barcos fez seu primeiro gol desde sua volta após a cirurgia de apêndice que o tirou das finais da Copa do Brasil.

Aos 34 minutos, o Cruzeiro teve nova chance para o terceiro gol, após uma boa jogada de Tinga. O meia se livrou da marcação palmeirense e chutou forte, para nova defesa importante de Bruno, que desviou a bola para fora. O Palmeiras ainda tentou o empate até os últimos minutos. Quase conseguiu aos 47 minutos, depois que o lateral Arthur cabeceou para o fundo das redes, mas o gol foi corretamente anulado, já que ele estava impedido. Ao fim do jogo, os jogadores do time paulista cercaram o trio de arbitragem e o técnico Luiz Felipe Scolari, mais uma vez, saiu irritado com erros que prejudicaram sua equipe na competição.

O próximo compromisso do Cruzeiro será contra a Ponte Preta, novamente em casa, no próximo domingo, pelo Brasileirão. O Palmeiras volta a campo antes, na próxima quarta-feira, contra o Botafogo, em Barueri, na estreia pela Copa Sul-Americana.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 2 x 1 PALMEIRAS

CRUZEIRO - Fábio; Ceará, Thiago Carvalho, Victorino e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Charles, Tinga e Montillo (Souza); Wallyson (William Magrão) e Borges (Anselmo Ramon). Técnico: Celso Roth.

PALMEIRAS - Bruno; Arthur, Leandro Amaro, Henrique e Fernandinho; Márcio Araújo, João Vítor, Patrik (Obina) e Daniel Carvalho (Maikon Leite); Mazinho e Barcos (Betinho). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

GOLS - Borges (pênalti), aos 36 minutos do primeiro tempo; Borges, aos 10, e Barcos (pênalti), aos 23 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - João Vítor, Daniel Carvalho, Barcos e Leandro Amaro (Palmeiras); Victorino e William Magrão (Cruzeiro).

ÁRBITRO - Fabrício Neves Correa (RS).

RENDA e PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio Independência, em Belo Horizonte (MG).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.