AP Photo/Hassan Ammar
AP Photo/Hassan Ammar

Com Lukaku artilheiro, Bélgica goleia Tunísia e fica perto de vaga

Time conhecido por sua ótima geração faz 5 a 2 com dois do centroavante, que saiu lesionado

Glauco de Pierri, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 11h04

Romelu Lukaku provou hoje que é um dos candidatos a conquistar a artilharia da Copa do Mundo da Rússia. Com classe, precisão e presença de área, marcou dois gols ainda no primeiro tempo e ajudou a Bélgica a vencer a Tunísia por 5 a 2, no estádio do Spartak, em Moscou, pela segunda rodada do Grupo G do mundial. Além dele, o meia Eden Hazard também fez excelente partida e marcou os outros dois gols da equipe. Com o resultado, os belgas praticamente carimbaram* a passagem para as oitavas de final. Já os tunisianos dependem de uma improvável combinação de resultados para alcançar a segunda fase da competição.

+ TEMPO REAL: Bélgica 5 x 2 Tunísia

O jogo começou em ritmo acelerado e logo aos quatro minutos, o meia Hazard, outro craque do time, entrou na área pelo lado direito e só falta parado com uma falta grotesca de Syam Ben Youssef. Aos seis, ele mesmo bateu e abriu o placar, para a festa da torcida da Bélgica.

A Tunísia, ao menos, mostrava coragem de atacar. O problema é que as jogadas ofensivas eram construídas mais na base da valentia e da coragem do que no pensamento e na habilidade. Com isso, espaços foram se abrindo em meio à linha defensiva do time. Aos 15, Mertens roubou a bola no meio do campo e tocou para Lukaku que, em velocidade, bateu no canto esquerdo, sem chance para o goleiro Ben Mustapha.

A coragem tunisiana foi recompensada dois minutos depois. Aos 17, o capitão Khazri levantou falta dentro da área pelo lado esquerdo, Bronn subiu mais que a zaga e testou firme no canto esquerdo da meta, sem chances para Courtois.

A partir daí, a partida ficou mais pegada, com maior marcação. Até o final da primeira etapa, a Bélgica tocou melhor a bola e até chegou com algum perigo à meta da seleção africana. O time ainda perdeu dois jogadores lesionados, mas mesmo assim parecia ter corrigido os erros de marcação. Parecia. Aos 47, Maaloul saiu jogando errado do campo de defesa e entregou a bola de presente para Mounier, que tabelou com De Bruyne e recebeu na entrada da área. Depois, viu Lukaku passar por trás dos zagueiros e tocou na medida para o artilheiro, que na saída do goleiro apenas tocou por cima, sutilmente. Um belo gol.

 

O segundo tempo começou da mesma forma que o primeiro, com a Bélgica se impondo na base da qualidade de seus jogadores. E não demorou muito para ampliar o placar. Aos seis minutos, De Bruyne deu uma aula de lançamento – colocou a bola por cima da zaga, no chamado “ponto futuro”. Hazard apareceu por trás da zaga, cortou o goleiro e só empurrou para o fundo do gol.

Depois disso, o técnico da Bélgica, o espanhol Roberto Martinez deu um descanso para as suas estrelas e Lukaku e Hazard deixaram o jogo para a entrada de Fellaini e Batshuayi, mas o panorama não mudou. Os belgas continuavam envolvendo as duas linhas de marcação da Tunísia e quase chegaram ao quinto gol aos 33, quando Carrasco acertou belo chute de fora da área, o goleiro Ben Moustapha espalmou nos pés de Batshuayi que, de dentro da pequena área, bateu no travessão.

Batshuayi teve outra grande chance de gol aos 35, quando Kevin De Bruyne fez ótima jogada pela esquerda e tocou para o atacante chutar forte, para excelente defesa do goleiro.

No fim, o jogo permanecia no mesmo cenário, mas de tanto insistir, Batshuayi fez o dele. Tielemans partiu pela direita do ataque e levandou na medida para o atacante chegar escorando, mais uma vez por trás da zaga, e mais uma vez sem chances para o goleiro.

 

Só que ainda tinha mais. Nos acréscimos foi a vez da Tunísia ir para cima e o time conseguiu descontar. Naguez partiu pela direita e cruzou para Khazri tocar de mansinho no canto direito do goleiro Cortuois.

Bom para a Bélgica, que com um saldo de sete gols positivos após duas rodadas, só não jogará por um empate na última partida para terminar a primeira fase na liderança do Grupo G se a Inglaterra vencer o Panamá amanhã por cinco gols de diferença.

FICHA TÉCNICA

BÉLGICA 5 X 2 TUNÍSIA

BÉLGICA: Courtois; Alderweireld; Boyata e Vertonghen; Meunier, De Bruyne, Witsel, Carrasco, Mertens (Tielemans) e Hazard (Batshuayi); Lukaku (Fellaini) . Técnico: Roberto Martinez

TUNÍSIA: Ben Mustapha; Meriah, S. Ben Youssef (Ben Alouane), Bronn (Naguez) e Maaloul; Skhiri, Sassi (Sliti) e Khaoui; Badri, F. Ben Youssef e Khazri. Técnico: Nabil Maaloul

GOLS: Hazard, aos 6; Lukaku, aos 15; Broon, aos 17; e Lukaku, aos 44 minutos do primeiro tempo; Hazard, aos 6 minutos; Batshuayi, aos 44; e Khazri, aos 47

CARTÕES AMARELOS: Sassi

JUIZ: Jair Marrufo (EUA).

*corrigido às 15h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.