Divulgação/Barcelona
Divulgação/Barcelona

Com máscara que custa mais de R$ 100, clubes da Europa tentam arrecadar durante a pandemia

Item virou febre entre torcedores europeus e clubes tentam amenizar revés econômico

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2020 | 11h31

Clubes europeus tentam driblar o revés financeiro ocasionado pela suspensão dos campeonatos de futebol, em decorrência da pandemia da covid-19, com a venda de máscaras de proteção. Ao todo, nas cinco grandes ligas da Europa, 49 equipes já produzem e vendem este item.

Segundo levantamento realizado pela ESPN Brasil, 16 dos 18 clubes que disputam o Campeonato Alemão possuem o equipamento de prevenção em suas lojas, o que deixa a Bundesliga no topo do ranking das ligas onde há a maior comercialização deste produto entre as equipes.

O Barcelona é o clube que confecciona a máscara mais cara. Adeptos que desejam o item personalizado da equipe catalã terão que desembolsar 18 euros (R$ 101) por unidade. Em segundo lugar estão Roma, Paris Saint-Germain e Alavés, que cobram 15 euros (R$ 84) por máscara.

A terceira colocação é mantida pelo Hoffenheim, Osasuna e Eintracht, que comercializam a unidade de seus produtos personalizados por 12,95 euros (R$ 72,80). Em contrapartida, Aston Villa, Everton e Manchester City vendem um pacote com três máscaras por 19 euros (R$ 106). Nesse caso, a unidade do produto custaria 6,30 euros (R$ 35). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.