Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Enquanto Corinthians sofre no ataque, Jô marca nove gols nos últimos quatro jogos no Japão

Atacante é vice-artilheiro do Campeonato Japonês, vive grande momento na Ásia e vê ex-clube na busca por um goleador

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2018 | 17h06

O atacante Jô , tem sido destaque das últimas rodadas do Campeonato Japonês com números impressionantes, que fizeram com que o Nagoya Grampus, seu time, deixasse a lanterna e a zona de rebaixamento da competição e deixasse muito torcedor do Corinthians com saudades. Nos últimos quatro jogos, o ex-atacante corintiano marcou nove gols e se tornou vice-artilheiro do torneio, com 18 gols. 

Nos últimos oito jogos, ele fez 13 gols e chegou aos 18 gols, um a menos que o também brasileiro, Patric, que defende o Gamba Osaka. Jô tem contrato até o fim de 2020 e foi vendido pelo Corinthians no começo do ano por 10 milhões de dólares (cerca de R$ 32 milhões na época), em uma negociação polêmica, pelos valores divulgados. 

Jô marca nove gols em quatro jogos

No último sábado, Jô marcou dois gols na derrota por 4 x 3 para o V-Varen Nagasaki. Na rodada passada, fez mais dois na goleada por 6 a 1 sobre o Jubilo Iwata; balançou as redes mais três vezes na vitória do Nagoya Grampus sobre o Urawa Reds por 4 a 1 e iniciou a sequência goleadora com dois gols feitos na vitória por 2 a 1 sobre o Yokohama Marinos. 

Desde então, o Corinthians pena para achar um novo centroavante. O clube contratou Roger e Jonathas e conta ainda com Matheus Matias para a posição. O técnico Fábio Carille, depois Osmar Loss e Jair Ventura chegaram a testar até Romero no setor, mas a equipe claramente sente a falta de Jô, um dos destaques da equipe campeã brasileira no ano passado. 

Para se ter uma ideia, nos últimos dez jogos, a equipe alvinegra fez apenas oito gols. Na última rodada, venceu o Sport por 2 a 1, de virada, na Arena Corinthians, gols de Jadson e Danilo Avelar. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.