Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Com medo de morte e brigas, autoridades tentam última cartada contra clubes em reunião na FPF

PM tem informações de que membros de organizadas já estão combinando possíveis locais de encontro para emboscadas

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2018 | 10h22

Representantes de Palmeiras e Corinthians, Ministério Público (MP), Polícia Militar (PM) e Federação Paulista se reunirão nesta quinta-feira, às 15h, na sede da Federação Paulista, para discutir detalhes do clássico. As autoridades aproveitarão o encontro para tentar convencer os dirigentes dos clubes a cancelarem ou mudarem a data do treinamento aberto em suas arenas. O temor é um possível encontro de membros de organizadas no deslocamento aos estádios.

+ Palmeiras vende todos os ingressos para a decisão do Paulista

+ Carille faz três mudanças no Corinthians

+ Roger indica Moisés titular no domingo

O Estado apurou que a conversa será definitiva e, se necessário, elevará o tom, pois a PM tem informações de que membros de organizadas já estão combinando possíveis locais de encontro para emboscadas e ataques contra rivais. O temor das autoridades é que um confronto entre torcedores acabe em morte ou feridos, como já aconteceu no passado. O MP deve informar aos dirigentes que, caso ocorra algum problema, eles poderão ser responsabilizados.

O Corinthians anunciou na segunda-feira que o treinamento de sábado será realizado na Arena Corinthians, às 10h. Minutos depois, o Palmeiras também anunciou que sua última atividade antes da decisão do Campeonato Paulista será realizada no Allianz Parque, no mesmo dia e horário. OS torcedores podem trocar os ingressos por 1 quilo de alimento não perecível. Ministério Público e Polícia Militar desde o início informaram que são contra os eventos simultâneos e estão tentando convencer os clubes a mudarem de ideia.

O treino aberto virou um braço de ferro entre Andrés Sanchez, presidente do Corinthians, e Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras. Ambos não cederão a pressão e, apesar do veto das autoridades, confirmaram as atividades e usam argumentos distintos para convencer o rival a mudar a data ou cancelar o evento. 

O Palmeiras justifica que foi o único a comunicar a PM da realização do evento, logo, é quem fez o certo, na visão dos palmeirenses, e por isso o seu evento precisa ser mantido. Por outro lado, o Corinthians alega que não fez comunicação aos policiais por não haver necessidade, já que fez outros treinos abertos na Arena e não foi preciso reforço de segurança. Além disso, o clube já iniciou a troca de ingressos por alimentos e todas as 41,5 mil entradas já foram destinadas aos corintianos. O clube informou que já foram trocados 21 mil ingressos e a outra parte reserva por sócios do Fiel-Torcedor, que farão a troca no sábado, antes do treino. Já o Palmeiras, ainda não divulgou como disponibilizará as entradas aos seus torcedores. 

A reunião na FPF também servirá para definir como será o procedimento após o jogo, principalmente se o Corinthians for o campeão, já que não deverá ter comemoração no gramado. No primeiro jogo, o Palmeiras venceu por 1 a 0 e joga pelo empate no domingo. Vitória por um gol do time alvinegro e a decisão irá para os pênaltis. Se vencer por dois ou mais gols de diferença, o time de Fábio Carille será bicampeão estadual. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.