Reprodução Twitter Porto
Reprodução Twitter Porto

Com Militão de saída para o Real, São Paulo vai lucrar quase R$ 30 milhões

Dinheiro pode ser usado para trazer os reforços pedido pelo técnico Cuca para o restante da temporada

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2019 | 11h01

A venda de Eder Militão para o Real Madrid vai gerar ao São Paulo um dinheiro inesperado que ajudará a trazer os reforços pedidos pelo técnico Cuca. Se a negociação for confirmada no valor de 50 milhões de euros (cerca de R$ 216,1 milhões), como especula a imprensa na Europa, o time do Morumbi ficará com uma pequena parte da quantia.

Como o São Paulo tem 10% dos direitos econômicos do jogador, além de cerca de 3,5% por ser clube formador pelo mecanismo de solidariedade da Fifa, ficará com 6,75 milhões de euros da negociação, algo em torno de R$ 29,2 milhões.

Militão foi vendido pelo São Paulo ao Porto em julho do ano passado por 4 milhões de euros, na época o equivalente a R$ 17,7 milhões. O tricolor manteve 10%, o que mostrou ser importante porque agora o time do Morumbi ganhará mais na negociação do que quando vendeu diretamente o jogador aos portugueses.

O jogador vem fazendo uma ótima temporada na Europa, tem sido eleito com frequência o melhor defensor do mês no Campeonato Português e passou a chamar a atenção de gigantes do continente. Então o Real Madrid, agora comandado pelo técnico Zinedine Zidane, tratou de acertar a negociação para ter seu primeiro reforço para a próxima temporada.

O dinheiro chega em ótima hora para os cofres do São Paulo. A diretoria acabou emprestando Diego Souza sem custos para o Botafogo para diminuir a folha salarial. Com a participação na venda de Militão, os dirigentes poderão voltar às fichas ao volante Tchê Tchê, do Dínamo de Kiev, da Ucrânia, e o atacante Keno, do Pyramids, do Egito. Ambos foram pedidos por Cuca, mas a negociação ainda é complicada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.