Harold Escalona/EFE
Harold Escalona/EFE

Com Neymar, Santos estreia na Copa Libertadores com empate sem gols

Falta de entrosamento e ritmo de alguns atletas atrapalham estreia santista na competição

ALAN RAFAEL VILLAVERDE, estadão.com.br

16 de fevereiro de 2011 | 00h38

SÃO PAULO - O Santos perdeu uma boa oportunidade de iniciar sua caminhada na Copa Libertadores com uma vitória. Demonstrando falta de entrosamento e cansaço de alguns atletas, a equipe alvinegra não passou de um empate sem gols com o Deportivo Táchira no começo da madrugada desta quarta-feira (de Brasília), em San Cristóbal, na Venezuela.

Com o resultado, o time do técnico Adílson Batista soma seu primeiro ponto no Grupo 5, que também conta com o Colo-Colo (CHI) e Cerro Porteño (PAR). Agora, o próximo confronto do Santos na competição será diante dos paraguaios no dia 2 de março, às 21h50, na Vila Belmiro.

Com duas semanas para o próximo jogo na Libertadores, Adílson Batista terá tempo para dar entrosamento ao time, que contou com Neymar - juntamente com Danilo e Alex Sandro, estava na seleção Sub-20, campeã sul-americana no Peru - pela primeira vez no ano.

O técnico santista, temendo justamente a falta de entrosamento, optou por uma equipe mais fechada no meio-de-campo, com Arouca, Possebon e Danilo, deixando Neymar e Diogo jogados à frente, tendo como elo apenas Elano que, sobrecarregado, não repetiu as boas atuações demonstradas no Campeonato Paulista.

Assim, o Santos não sofreu susto algum no primeiro tempo, e chegou a ter duas ótimas chances para abrir o placar. A primeira delas aconteceu aos 31 minutos, quando Diogo cruzou na área para o toque de letra de Neymar. A bola parou no zagueiro e, na sequência, foi chutada na trave por Danilo. Já aos 34, a equipe santista chegou a abrir o placar, mas o gol foi invalidado por um suposto impedimento de Elano, que não participou da jogada.

No segundo tempo, o cansaço de Neymar, Danilo e Arouca - apenas seu segundo jogo no ano - ficou evidente. O Santos perdeu seu poder de marcação e só voltou a dominar o fraco adversário após o 30.º minuto, quando ganhou fôlego com as entradas de Zé Eduardo, Adriano e Alex Sandro. Mas apenas um chute foi arriscado, aos 31, por Arouca, que passou rente à trave direita do gol adversário.  A equipe brasileira viria a ter mais uma chance numa cabeçada de Edu Dracena, aos 46, mas a bola parou na defesa de Sanhouse. Muito pouco para as pretensões de um elenco que busca o tricampeonato da competição sul-americana.

Notas. O Santos completou nove jogos contra equipes venezuelanas na Libertadores, e agora possui sete vitórias e dois empates +++ Colo-Colo e Cerro Porteño fazem o segundo jogo do grupo nesta quinta-feira, às 21 horas (de Brasília), em Assunção, no Paraguai +++ O Santos soma, nos últimos quatro jogos - contando o Paulistão -, três empates e uma vitória.

DEPORTIVO TÁCHIRA-VEN - 0 - Sanhouse; Chacón, Moreno, Rouga e Yeuez; Guerrero, Fernández, Casanova (Parra), Ernández (Del Valle); Perez Greco e Herrera. Técnico - Jorge Luís Pinto.

SANTOS - 0 - Rafael; Pará (Adriano), Edu Dracena, Durval e Léo (Alex Sandro); Possebon, Arouca, Danilo e Elano; Diogo (Zé Eduardo) e Neymar. Técnico - Adílson Batista.

Cartões amarelos - Fernández, Possebon e Danilo. Árbitro - Carlos Vera (Equador). Renda e público - não disponíveis. Local - Estádio Pueblo Nuevo, San Cristóbal, Venezuela.

Veja também:

blog Antero Greco - Santos poderia ter feito mais na Venezuela

link Ganso desemente boatos e garante que continua no Santos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.