Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Com nome de Luo Guofu, atacante Aloísio é chamado pela 1ª vez à seleção da China

Ex-jogador de Figueirense e São Paulo vai participar de período de treinamentos em maio, em Xangai

Redação, Estadão Conteúdo

29 de abril de 2020 | 14h20

A seleção da China tem agora dois jogadores brasileiros naturalizados em seu elenco. Depois do meia Elkeson, ex-Botafogo que tem o nome chinês de Ai Kesen, nesta quarta-feira foi a vez do atacante Aloísio, apelidado no Brasil de "Boi Bandido" quando jogou por Figueirense e São Paulo, ser convocado pela primeira vez para o time nacional comandado pelo técnico Li Tie.

Com o novo nome em chinês de Luo Guofu, Aloísio apareceu em uma lista de jogadores chamados pela Associação Chinesa de Futebol (CFA, na sigla em inglês) para um período de treinamentos em maio, na cidade de Xangai, como preparação para partidas, ainda sem data definida, das Eliminatórias Asiáticas da Copa do Mundo de 2022, que será jogada no Catar.

A convocação de Aloísio, de 32 anos, é a terceira de um jogador estrangeiro para a seleção da China. Além dos atletas brasileiros, o mesmo caminho foi seguido pelo zagueiro/volante inglês Nico Yennaris, que passou a ser chamado de Li Ke.

Outros jogadores brasileiros estão na mira dos dirigentes chineses. São os casos de Ricardo Goulart, Alan e Fernandinho, sendo que o primeiro, atualmente no Guangzhou Evergrande, já conseguiu concluir o processo de naturalização, mas ainda estaria pendente de uma autorização da Fifa para ser convocado.

Aloisio chegou à China em 2014, após se destacar no São Paulo, e passou duas temporadas no Shandong Luneng, antes de se transferir para o Hebei China Fortune e chegar a atuar no Guangdong South China. No final do ano passado, foi contratado pelo Guangzhou Evergrande.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.