Vitor Silva/Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Com nove meses de clube, Honda publica carta 'para todos que amam o Botafogo'

No texto, japonês pediu para que torcedores, jogadores e dirigentes se unam para adotar uma nova postura de gerenciamento no clube

Redação, Estadão Conteúdo

06 de novembro de 2020 | 21h20

Com apenas nove meses em General Severiano, o meia japonês Keisuke Honda demonstrou, nesta sexta-feira, preocupação e amor pelo clube, ao divulgar uma carta "para todos que amam o Botafogo". No texto, o jogador pediu para que torcedores, jogadores e dirigentes se unam para adotar uma nova postura de gerenciamento no clube, com cortes de gastos, sem a ajuda externa de empresários ou patrocinadores aproveitadores.

"Antes de tudo, o Botafogo é um clube de quem? É um clube de ricos investidores ou patrocinadores? Não. Não é o clube de empresários que vão embora quando as coisas dão errado, nem de algum estrangeiro como eu que vai sair depois de certo período. É um clube de todos que amam e apoiam o Botafogo desde que nasceram, e que mantém vivo esse amor mesmo em situações desfavoráveis como a que vivemos agora. É o clube de todos. Então todos juntos precisamos fazer o clube ficar mais forte", disse o atleta, de 34 anos.

Honda sugeriu que os torcedores tenham voz ativa nas decisões do clube e a gestão seja transparente com as finanças. "Como o clube aumenta a receita? E quem pensa e decide sobre um plano de médio e longo prazo? O mais importante é isso. O clube não pertence a uma ou a um grupo de pessoas, o Botafogo é de todos os torcedores, então todos juntos devem pensar e decidir. Dessa forma, as pessoas vão ficar entusiasmadas em pensar sobre visão e planos de médio a longo prazo. Consequentemente, bons jogadores e profissionais vão se reunir, e os jovens jogadores também crescerão."

Desta forma, o jogador japonês acredita que o Botafogo será um alvo certo de patrocinadores e investidores, mas de uma forma saudável para o clube. "Acho que agora é a hora de todos os dirigentes, profissionais, jogadores e torcedores repensarem a forma de dirigir e administrar o clube mais tradicional, Botafogo."

A carta de Honda deve ter sido estimulada por causa dos maus momentos vividos no clube nos últimos dias. A eliminação para o Cuiabá, nas oitavas de final da Copa do Brasil, causou a queda do técnico Bruno Lazaroni, revolta dos torcedores, muros pichados no Engenhão e sede de General Severiano invadida na semana passada.

Neste sábado, o técnico argentino Ramón Díaz será apresentado. O time volta a campo no domingo, diante do Bahia, na Fonte Nova, em Salvador, às 18h15, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro, competição na qual está em 14º lugar, com 20 pontos, em 18 jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.