Divulgação/Sochi
Divulgação/Sochi

Com parte do elenco com coronavírus, time russo joga com garotos e perde por 10 a 1

Rostov tem seis jogadores infectados pela doença e para se proteger escalou somente atletas do elenco sub-17

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2020 | 17h58

A pandemia do novo coronavírus fez um jogo ter resultado bastante inusitado nesta sexta-feira no retorno do Campeonato Russo depois de três meses. Com seis atletas contagiados pela doença e com o elenco profissional de quarentena para evitar novos casos, o Rostov enviou o time sub-17 para uma partida contra o Sochi, fora de casa, e perdeu pelo placar de 10 a 1.

O curioso é que o Rostov ainda abriu o placar no início de jogo, para depois levar quatro gols antes do intervalo e mais seis na etapa final. "Fomos inferiores aos nossos adversários unicamente por causa da capacidade física", disse o jogador Roman Romanov, de 17 anos, autor do único gol do time goleado. A partida por pouco não foi realizada, principalmente por uma insistência do próprio Rostov para adiar o encontro.

A equipe pediu à organização da liga russa para transferir o compromisso para julho, com a justificativa de ter mais tempo para recuperar os titulares infectados. No entanto, o Sochi insistiu em manter a data prevista principalmente pelo interesse em vencer o jogo contra um adversário importante e somar pontos importantes para fugir do risco de rebaixamento à segunda divisão.

O impasse fez o Rostov viajar para o local da partida apenas poucas horas antes do compromisso. O time desembarcou em Sochi ao meio-dia e o jogo estava marcado para às 16h locais. O time levado a campo na goleada tinha na maioria atletas de  17 anos, com alguns reforços do elenco sub-19. Nenhum deles jamais havia participado de partidas da elite do futebol russo. 

Nem mesmo o técnico do time principal do Rostov viajou para o compromisso. O ex-meia Valeri Karpin afirmou que só veria a partida pela televisão. Na véspera do compromisso, o clube revelou em nota oficial que 42 funcionários que tiveram contato com seis jogadores infectados foram colocados em quarentena. A diretoria espera conseguir adiar os dois próximos jogos previstos, diante de Arsenal Tula e Krasnodar.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.