Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

Com pênalti polêmico, Corinthians bate Cruzeiro por 1 a 0 e assume a liderança

Ronaldo faz o gol da vitória nos instantes finais; Fabrício abandona o jogo antes do fim revoltado com a arbitragem de Sandro Meira Ricci

RAFAEL VERGUEIRO, estadão.com.br

13 de novembro de 2010 | 21h33

SÃO PAULO - No sufoco e como a torcida gosta. Com gol de Ronaldo em pênalti polêmico aos 43 minutos do segundo tempo, o Corinthians bateu o Cruzeiro por 1 a 0 na noite deste sábado no Pacaembu e assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro. Com 63 pontos, agora tem dois a mais do que o Fluminense, que neste domingo pega o Goiás no Rio de Janeiro, contra 60 do time mineiro.

Veja também:

BRASILEIRÃO - tabela Classificação | lista Resultados

link Presidente do Cruzeiro afirma que Corinthians ‘comprou’ o árbitro da partida

link Roger diz saber 'como funciona' o Corinthians

A vitória corintiana na 35.ª rodada acabou sendo marcada por uma grande polêmica. Os cruzeirenses não se conformaram com a marcação da penalidade máxima e protestaram muito. Revoltado, o técnico Cuca pediu para a equipe abandonar o gramado. Fabrício foi o único que cumpriu a ordem e deixou o jogo antes do apito final. Wallyson ainda teve tempo de entrar no lugar do colega.

Na visão do árbitro Sandro Meira Ricci, a falta dentro da área foi cometida pelo zagueiro Gil (foi expulso pelo segundo cartão amarelo) sobre o próprio Fenômeno. Em bola levantada, Ronaldo se chocou com o adversário e caiu. Mesmo com o protesto, o camisa 9 alvinegro cobrou com tranquilidade para deslocar o goleiro Fábio e fazer o gol do triunfo.

A revolta cruzeirense foi tanta que Gilberto acabou sendo expulso depois do término do confronto. O trio de arbitragem só conseguiu deixar o campo cerca de 10 minutos após o apito final. A torcida mineira chiou muito e gritou ‘ladrão’ até deixar o estádio. Já os corintianos só fizeram festa e nem se importaram com a reclamação.

Hora de secar. O Corinthians, praticamente classificado para a Copa Libertadores de 2011 (dificilmente sairá do G-3 até o término do torneio), agora torcerá muito contra o Fluminense neste domingo, em jogo contra o Goiás às 17 horas no Engenhão.

Se ganhar, o Flu reassume a ponta da tabela. Qualquer outro resultado manterá o clube alvinegro na liderança e dependendo das suas próprias forças para levantar o troféu do Campeonato Brasileiro.

Partida tensa. Mesmo antes do polêmico pênalti nos instantes finais do segundo tempo, o confronto, com clima de decisão, já era tenso. O Cruzeiro começou melhor a partida no Pacaembu. Bem fechado na defesa, trocava passes com tranqulidade no meio-de-campo, com Gilberto, Fabrício e Motillo, e abria espaços na zaga adversária.

Em um lance rápido, aos 14 minutos, Thiago Ribeiro chegou a ficar na cara do gol, mas se jogou após driblar o goleiro Júlio César e ainda levou o cartão amarelo.

O Corinthians só melhorou depois dos 30 minutos, quando cresceu o futebol dos meias da seleção brasileira, Elias e Jucilei. E a melhor chance de gol corintiana na etapa inicial aconteceu aos 44 minutos, quando Elias fecebeu passe primoroso de Ronaldo e driblou o goleiro Fábio, mas perdeu o ângulo e deu tempo para a recuperação da zaga adversária.

No segundo tempo, o confronto seguiu equilibrado, com poucas chances claras de gol. A entrada de Jorge Henrique no lugar de Bruno César fez o Corinthians melhorar e atacar mais. No entanto, tudo caminhava para o 0 a 0 até a penalidade máxima que gerou toda a polêmica nos instantes finais.

Próximos jogos. Agora, Corinthians e Cruzeiro têm mais três confrontos pela frente no Brasileirão. No dia 21, às 17 horas, a equipe alvinegra vai até Salvador pegar o Vitória, sem Bruno César e Dentinho, que estão suspensos. No mesmo dia, às 19h30, os mineiros recebem o Vasco.

  CORINTHIANS - 1 - Julio Cesar; Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos (Leandro Castán); Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César  (Jorge Henrique); Dentinho  (Danilo) e Ronaldo. Técnico: Tite

  CRUZEIRO - 0 - Fábio; Jonathan, Léo, Gil  e Gilberto ; Fabrício  (Wallyson), Henrique, Marquinhos Paraná e Montillo (Roger); Wellington Paulista (Farias) e Thiago Ribeiro . Técnico: Cuca

 

Gol - Ronaldo (pênalti), aos 43 minutos do segundo tempo; Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF); Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP); Público pagante: 35.935 pessoas; Renda: R$ 1.279.352.50;

 

Atualizado às 22h05 para acréscimo de informação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.