Com proteção, Julio Cesar nega ter lesão nas costas

O próprio goleiro revelou já estar completamente recuperado da pancada que sofreu no Zimbábue

ANDRÉ CARDOSO, Agência Estado

25 de junho de 2010 | 15h16

Num lance aos 14 minutos do segundo tempo do jogo entre Brasil e Portugal, nesta sexta-feira, em Durban, Julio Cesar sofreu um choque com o português Raul Meirelles e teve a camisa rasgada. Durante a troca do uniforme, dentro de campo, foi possível ver que o goleiro brasileiro estava jogando com uma proteção nas costas, na mesma região onde tinha levado uma pancada no amistoso contra o Zimbábue, no dia 2 de junho. Apesar disso, ele garantiu não ter mais nenhum problema médico ou físico no local.

Veja também:

link Dunga confirma volta de Elano e Robinho no próximo jogo

link Felipe Melo e Júlio Baptista viram dúvidas na seleção

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador   

"Não tenho dor nenhuma nas costas. É só uma proteção para eu me sentir melhor. É uma coisa que eu uso constantemente na própria Inter de Milão. Se eu jogar sem aquilo eu não me sinto seguro", afirmou Julio Cesar, depois do empate por 0 a 0 com Portugal, que garantiu o Brasil na primeira colocação do Grupo G da Copa na África do Sul.

Segundo o médico da seleção, José Luiz Runco, a proteção utilizada por Julio Cesar é um colete lombar. "É algo normal, que ele usa desde 2004. Ele se sente bem, tranquilo. Serve para proteger a coluna, mas isso não o comprometeu em momento algum", explicou. O próprio goleiro revelou já estar completamente recuperado da pancada que sofreu no Zimbábue e que chegou a afastá-lo de alguns treinos do Brasil. E confirmou que o choque com Raul Meirelles não preocupa. "Foi um pisão numa dividida. Não foi nada demais", contou.

Julio Cesar também comentou sobre o empate brasileiro nesta sexta-feira. "A gente não fez gols, mas pelo menos a gente não tomou. E, com isso, conseguimos garantir a liderança. Era um grupo difícil, e o nosso grupo está de parabéns", comemorou o goleiro, reforçando que o Brasil não pode escolher adversários na Copa do Mundo. "Independente de quem for (o rival nas oitavas de final), é mais um degrau que tem de ser alcançado."

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolBrasilJulio Cesar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.