Com 'provocação', Prass defende o 10º pênalti pelo Palmeiras

Defesas do goleiro foram fundamentais na Copa do Brasil

O Estado de S.Paulo

04 Abril 2016 | 11h35

No clássico do domingo contra o Corinthians, Fernando Prass chegou à marca de dez pênaltis defendidos com a camisa do Palmeiras. A principal característica do goleiro palmeirense é apontar um canto para desestabilizar o batedor, mexer com sua 'cabeça', tirar seu foco. Desta vez, Prass apontou o dedo para lado direito, o mesmo no qual fez a defesa no chute de Lucca. Contra o Rosário Central, no entanto, o goleiro apontou o lado esquerdo e rebateu a bola no direito.

Na beira do campo, em entrevista à TV Bandeirantes, Prass explicou porque provoca os atacantes desta maneira. “Se o jogador vier tranquilo para bater, a chance de ele marcar é grande. Tenho de fazê-lo pensar em alguma coisa além da batida na bola durante a corrida. Eu falei para o Lucca: ‘vou esperar no meio e você tem de bater bem para fazer. Se bater bem, vai fazer porque vou ficar no meio do gol’. Às vezes eu aponto para o lado direito e vou para o canto direito, às vezes aponto para o lado direito e caio para o esquerdo. Isso não tem uma regra."

Declarado estudioso das batidas anteriores dos rivais, Fernando Prass afirmou que fez o mesmo com Lucca. Mas que decidiu apenas na hora para qual lado cairia. “Eu vi as cobranças dele no canto esquerdo, direito, no meio do gol. E aí vai do feeling na hora. Tem jogador que bate 90% das vezes no mesmo lado, mas o Lucca varia bastante. Tentei esperar o máximo para ele não ver para que canto eu ia e sair com bastante explosão."

As defesas em penalidades de Prass foram fundamentais na conquista do título da Copa do Brasil do ano passado. O arqueiro impediu gols em disputa por pênaltis contra Fluminense, na semifinal, e Santos, na decisão. Ainda no ano passado, ele conseguiu defender as cobranças de Elias e Petros na semifinal do Campeonato Paulista, justamente contra o Corinthians, em Itaquera. 

A defesa deste domingo foi a quarta no ano, a segunda em partidas oficiais. Por torneio de pré-temporada em Motevidéu, Prass defendeu duas cobranças contra o Nacional, do Uruguai. Pela Libertadores, pegou a batida de Marco Ruben, do Rosário Central.

PÊNALTIS DEFENDIDOS NO PALMEIRAS

Palmeiras 4 x 0 Icasa

Radamés, 11ª rodada da Série B de 2013

Corinthians 2 (5)x(6) 2 Palmeiras

Elias e Petros, definição nos pênaltis na semifinal do Campeonato Paulista de 2015

Cruzeiro 2 x 1 Palmeiras

Marinho, 17ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2015

Palmeiras 2 (4)x(1) 1 Fluminense

Gustavo Scarpa, definição nos pênaltis da semifinal da Copa do Brasil de 2015

Palmeiras 2 (4)x(3) 1 Santos

Gustavo Henrique, definição nos pênaltis da final da Copa do Brasil de 2015

Nacional-URU 0(4)x(3)0 Palmeiras

Ramirez e Seba Fernandez, definição nos pênaltis da final do Quadrangular de Montevidéu de 2016

Palmeiras 2 x 0 Rosário Central-ARG

Marco Ruben, 2ª rodada da fase de grupos da Copa Libertadores de 2016

Palmeiras 1 x 0 Corinthians

Lucca, 14ª rodada da primeira fase do Campeonato Paulista de 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.