Com R$ 82 mi em caixa, Santos vai atrás de reforços para o Brasileirão

O clube ficou com 60% dos 17 milhões da venda de Neymar, o que representa R$ 29,7 milhões

Sanches Filho, Especial para o Estado

18 de julho de 2013 | 07h30

SANTOS - O Santos tem R$ 82 milhões para gastar na formação de um time competitivo para a disputa do Brasileiro e também a próxima temporada. O clube ficou com 60% dos 17 milhões da venda de Neymar, o que representa R$ 29,7 milhões (os outros 40% pertencem à DIS), receberá 8 milhões (R$ 23,2 milhões) do clube espanhol em troca da prioridade para contratar revelações da base, e 10 milhões ( R$ 29,1 milhões) referentes às vendas de Rafael e Felipe Anderson.

"Está sobrando dinheiro no Santos. Por isso, por pouco não foi feita a besteira de gastando uma fortuna para a repatriar o Robinho", disse um ex-integrante da diretoria do presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, que pede para não ser identificado por temer retaliação.

Com o dinheiro da venda de Paulo Henrique Ganso ao São Paulo, o Santos pagou dívidas de curto prazo. Agora, a diretoria promete correr contra o tempo e contratar pelo menos mais dois jogadores de bom nível que, no conceito do Comitê Gestor, faltam para que o time volte a disputar títulos.

Maicosuel interessa. Embora a direção santista não fale sobre negociações em andamento, consta que Giuliano, meia de 23 anos, formado pelo Internacional e que atualmente joga no Dnipro, da Ucrânia, esta perto de se tornar a próxima contratação santista.

"Giuliano é um ótimo nome, mas temos de respeitar a diretoria porque muitas vezes o negócio não dá certo . O Giuliano é um jogador que chegaria para jogar, é inquestionável", disse o treinador Claudinei Oliveira, ontem, no programa Radar Esportivo, da TVCom, de Santos. Outro jogador que interessa é Maicosuel, ex-Botafogo, Palmeiras e Cruzeiro e que está na Udinese. Ele já acertou salário com o clube, que tenta se entender com os dirigentes italianos para fechar a contratação em definitivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.