Patrik Stollarz/AFP
Patrik Stollarz/AFP

Barcelona segura empate com Leverkusen e classifica a Roma

Goleiro Ter Stegen fecha o gol no empate por 1 a 1 na Alemanha

Estadão Conteúdo

09 de dezembro de 2015 | 19h53

Com um time quase completamente reserva, reforçado apenas por Alba, Rakitic e Messi, o Barcelona viveu uma situação rara nesta quarta-feira: foi dominado. Mas, mesmo esmagado pelo Bayer Leverkusen em seu campo de defesa, o time espanhol conseguiu segurar o empate em 1 a 1. Com o resultado, classificou a Roma, que deu mais um vexame e ficou no 0 a 0 com o BATE Borisov, da Bielo-Rússia, em plena capital italiana.

Dos quatro times do Grupo E, o Barcelona era o único que não jogava a vida na última rodada, uma vez que já estava classificado em primeiro. Roma, Bayer e BATE lutavam pela segunda vaga nas oitavas de final da Liga dos Campeões, enquanto o terceiro colocado iria à Liga Europa. Quem ficasse em último daria adeus às competições europeias.

Precisando vencer, o Bayer Leverkusen atacou o Barcelona desde o início do jogo na BayArena, aproveitando-se da escalação de um time de garotos por parte do técnico Luis Enrique. Do meio para frente, o Barça tinha Sergi Samper, Sandro Ramirez, Munir (todos de 20 anos) e o camaronês Kaptoum, de 19, além de Messi e Rakitic.

Se diante do Villanovense, pela Copa do Rei, na semana passada, a escalação alternativa serviu para o Barça golear, nesta quarta-feira o rival era mais forte. O Leverkusen começou melhor, mas levou o gol primeiro. Aos 20 minutos, Rakitic deu passe milimétrico para Messi, que saiu da mesma linha dos zagueiros, driblou o goleiro e empurrou para o gol.

Três minutos depois o Leverkusen empatou, com Chicharito Hernández, após jogada que começou pela esquerda e contou com uma furada de Çalhanoglu. Foi a única vez que Ter Stegen foi superado no jogo. O goleiro alemão, que só joga a Liga dos Campeões (é reserva de Claudio Bravo no Espanhol), fechou o gol a partir dali.

De acordo com as estatísticas oficias da Uefa, Ter Stegen fez nove defesas e pelo menos quatro delas foram excelentes, especialmente a que ele fez aos 44 minutos do segundo tempo, pegando chute de Chicharito à queima roupa. O Barça, por outro lado, só deu quatro chutes a gol, sendo dois para fora. Nos chamados "ataques perigosos", foram 63 dos alemães e 20 do espanhóis, apenas. Até na posse de bola o Barça levou a pior: 51% a 49%.

Enquanto isso, no Estádio Olímpico, a Roma ficou só no empate sem gols com o BATE Borisov, apesar de também ter dominado a partida. Derrotada por 6 a 1 pelo Barça há duas semanas, a equipe italiana se classificou porque foi melhor que o Bayer Leverkusen no confronto direto: empatou por 4 a 4 na Alemanha e ganhou por 3 a 2 em casa. Se o critério fosse o saldo de gols, ficaria muito atrás. Os alemães, em terceiro, entram na próxima fase da Liga Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.