Com reservas, Atlético-MG fica no 0 a 0 com o Boa no Mineiro

Apenas o goleiro Victor foi escalado do time titular na partida em Varginha

Estadão Conteúdo

18 Janeiro 2018 | 21h30

O Atlético-MG decepcionou em sua estreia no Campeonato Mineiro e não saiu do empate sem gols diante do Boa, em Varginha. Nesta quinta-feira, o time alvinegro até teve as melhores chances da partida, mas sofreu com a falta de ritmo de jogo e os erros de finalização.

+ Sem Ricardo Oliveira, Oswaldo define time do Atlético-MG para estreia

O técnico Oswaldo de Oliveira levou a campo uma escalação reserva, apenas com Victor dos considerados titulares, e o Atlético-MG pagou por esta opção. Sem muita criatividade, o time alvinegro se limitou aos cruzamentos e lançamentos longos, facilitando a vida do adversário.

No domingo, o Atlético-MG volta a campo para encarar o Democrata de Governador Valadares, no Independência, e deverá atuar com os titulares, incluindo reforços como Arouca, Ricardo Oliveira e Róger Guedes. No mesmo dia, o Boa visita o Villa Nova no Estádio Castor Cifuentes, em Nova Lima.

Nesta quinta, o Atlético-MG começou melhor e assustou logo com dez minutos. Após cruzamento da direita, a bola desviou na zaga e sobrou para Carlos, que girou batendo e exigiu grande defesa de Fabrício. O goleiro voltou a aparecer aos 19, quando Gustavo Blanco tentou cruzamento, mas quase surpreendeu.

Mesmo sem grandes tramas ofensivas, o Atlético-MG era superior e seguiu perdendo boas chances. Aos 26, Carlos recebeu e finalizou firme, mas foi travado na hora certa por Caíque. Sete minutos depois, Yago recebeu longo lançamento e ajeitou de peito para Gustavo Blanco, que tentou por cobertura e exagerou na força.

De tanto desperdiçar chances, o Atlético-MG quase foi castigado aos 43 minutos. Amaral recebeu na intermediária, avançou e encheu o pé. A bola desviou na defesa e sobrou limpa para Lucas Hulk, que finalizou quase da pequena área, para fora.

O susto não impediu que o Atlético-MG seguisse melhor na etapa final e criasse bom momento logo no primeiro minuto, com Erik. Mas logo a falta de ritmo passou a fazer diferença e o time alvinegro caiu de produção.

Foi a chance, então, para o Boa atacar. E o time da casa viveu bom momento aos 26, em chute de João Guilherme. Mas o susto voltou a acordar o Atlético-MG, que exerceu uma blitz nos minutos finais. Aos 34, Marco Túlio cabeceou para fora após erro de Fabrício. O mesmo Marco Túlio e Matheus Mancini ainda tiveram os últimos bons momentos, mas finalizaram mal.

Mais conteúdo sobre:
Campeonato Mineiro de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.